O PCP publicou um vídeo onde compara António Costa, a par de Rui Rio, Assunção Cristas e António Saraiva, à popular personagem do cinema Vito Corleone, mais conhecido como Padrinho, do filme de Francis Ford Coppola.

Com o título “PS, PSD, CDS e patrões: padrinhos da precariedade”, o PCP elenca no seu vídeo algumas das medidas que acredita serem propícias a mais precariedade no mercado de trabalho — e que, por isso, contrastam com as palavras de António Costa na apresentação da nova lei laboral, no passado mês de junho.

PS, PSD, CDS e patrões: padrinhos da precariedade

O Governo minoritário do PS, as Confederações Patronais e a UGT combinaram, com o já explícito apoio do PSD e do Presidente da República o prosseguimento do ataque aos direitos dos trabalhadores e à sua estabilidade social e laboral.O acordo, subscrito no âmbito da Concertação Social, mantém e mesmo reforça os instrumentos para o aumento da exploração e a liquidação de direitos dos trabalhadores. Com o acordo firmado, o Governo, o patronato e a UGT pretendem:- Estabelecer para todos os sectores um nível aceitável de precariedade (tendo em conta a situação actual que é tudo menos aceitável) e legitimar a precariedade até esse nível. Acima dele, legitimar a precariedade desde que as empresas paguem uma pequena quantia na TSU.- Aumentar o período experimental para 180 dias (seis meses!), para os trabalhadores à procura do 1.º emprego e para os desempregados de longa duração.- Alargar a todos os sectores os contratos de muito curta duração, ampliando a sua duração até 35 dias, podendo chegar aos 70 dias por ano, sem necessidade de contrato escrito.#pcp #ValorizarosTrabalhadores

Posted by PCP – Partido Comunista Português on Friday, July 6, 2018

“O combate à precariedade é um desafio central da sociedade portuguesa, é um desafio desde logo pela defesa da dignidade do trabalho”, disse então António Costa à altura, num excerto utilizado pelo vídeo do PCP. “Só isso aliás permite este acordo, onde é fortemente restringido o recurso à precariedade por via dos contratos a termo.”

Embora o vídeo mostre as fotografias de Rui Rio, Assunção Cristas e de António Saraiva, e faça também menção à aprovação por parte da UGT às medidas propostas pelo governo, é mesmo António Costa que tem um papel de destaque no vídeo dos comunistas.

Esta sexta-feira foram votados vários projetos de alteração à lei laboral, com o PSD e o CDS a votarem ao lado do PS na grande maioria dos diplomas. Os partidos à esquerda do PS votaram ao lado dos socialistas apenas na alteração à lei dos bancos de horas e ao regime jurídico das contratações a termo.

Acordo laboral. PS vai aprovar “várias propostas” da esquerda