Uber

Uber, Cabify e Taxify vão ter de pagar uma taxa de 5% ao Estado

108

Depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter vetado a proposta de regulamentação de plataformas como a Uber, Cabify e Taxify, o PS recua e aceita a proposta de uma contribuição de 5% ao Estado.

Depois de ter estado durante mais de um ano à espera para ser aprovada em Assembleia da República, a proposta de regulamentação dos TVDE foi vetada pelo Presidente da República

WILL OLIVER/EPA

Marcelo Rebelo de Sousa vetou a proposta de regulamentação dos transportes em veículo descaracterizado a partir de plataforma eletrónica (os chamados TVDE, que abrangem empresas como a Uber, Cabify e Taxify) em abril. Três meses depois, o PS recua e aceita a proposta dos sociais-democratas para a contribuição das empresas ao Estado: 5% (em vez da proposta anteriormente, que previa um intervalo entre 0,1% e 2%) do valor que cobram aos operadores. A notícia está a ser avançada pelo Público.

A proposta de regulamentação dos TVDE esteve para discussão na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas durante cerca de um ano. Foi aprovada no Parlamento em abril, mas não mereceu o aval do Presidente da República, que considerou pouco equilibrada, suscitando-lhe “reservas políticas de fundo”. Marcelo pediu aos deputados que tratassem o tema com mais “equilíbrio” entre os operadores de transportes.

A nova proposta de regulamentação é discutida e votada em Plenário na quinta-feira. Segundo o Público, as empresas que desenvolvam a atividade de transporte de táxi vão poder trabalhar simultaneamente como operadores de TVDE, “mediante cumprimento dos procedimentos de licenciamento aplicáveis e das disposições previstas no presente diploma, afetando a esta atividade veículos não licenciados como táxis”.

O primeiro projeto de regulamentação dos TVDE foi aprovado com votos a favor do PS, PSD e CDS-PP, com a abstenção do PAN e com os votos contra do PCP, Bloco de Esquerda e Os Verdes. Todos os partidos tinham projetos de regulamentação próprios, o que acabou por atrasar a elaboração da proposta que foi discutida em março no Parlamento.

A contribuição que as plataformas deveriam entregar ao Estado fez parte do braço de ferro entre o PS e o PSD que durou cerca de um ano. A inclusão desta taxa foi uma iniciativa dos sociais-democratas, que acabou por merecer a concordância do PS e incluída no diploma final.

Sobre esta mudança, fonte oficial da Cabify disse ao Observador que a empresa “está já a preparar-se para cumprir com todos os requisitos que venham a ser exigidos pela regulação. Consideramos importante que exista um projeto de melhoria da mobilidade nas cidades portuguesas e queremos fazer parte dele em todas as suas dimensões. Temos acompanhado de perto todo este processo e é com expectativa que esperamos ver amanhã dar-se um passo essencial para a mobilidade das cidades portuguesas”.

David Silva, responsável pela Taxiy em Portugal, respondeu que “assim que a lei for aprovada, a Taxify vai cumprir com a legislação em vigor”. A Uber remeteu a sua reação para o final da votação de quinta-feira.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Empresas

Accionista e operador de máquinas: bons amigos?

Rui Esperança

A perpetuação do modelo da melhoria dos resultados das empresas à custa dos salários baixos e do consequente enriquecimento dos accionistas tem de mudar. Sem as pessoas, as empresas são pouca coisa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)