Uber

Uber, Cabify e Taxify vão ter de pagar uma taxa de 5% ao Estado

108

Depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter vetado a proposta de regulamentação de plataformas como a Uber, Cabify e Taxify, o PS recua e aceita a proposta de uma contribuição de 5% ao Estado.

Depois de ter estado durante mais de um ano à espera para ser aprovada em Assembleia da República, a proposta de regulamentação dos TVDE foi vetada pelo Presidente da República

WILL OLIVER/EPA

Marcelo Rebelo de Sousa vetou a proposta de regulamentação dos transportes em veículo descaracterizado a partir de plataforma eletrónica (os chamados TVDE, que abrangem empresas como a Uber, Cabify e Taxify) em abril. Três meses depois, o PS recua e aceita a proposta dos sociais-democratas para a contribuição das empresas ao Estado: 5% (em vez da proposta anteriormente, que previa um intervalo entre 0,1% e 2%) do valor que cobram aos operadores. A notícia está a ser avançada pelo Público.

A proposta de regulamentação dos TVDE esteve para discussão na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas durante cerca de um ano. Foi aprovada no Parlamento em abril, mas não mereceu o aval do Presidente da República, que considerou pouco equilibrada, suscitando-lhe “reservas políticas de fundo”. Marcelo pediu aos deputados que tratassem o tema com mais “equilíbrio” entre os operadores de transportes.

A nova proposta de regulamentação é discutida e votada em Plenário na quinta-feira. Segundo o Público, as empresas que desenvolvam a atividade de transporte de táxi vão poder trabalhar simultaneamente como operadores de TVDE, “mediante cumprimento dos procedimentos de licenciamento aplicáveis e das disposições previstas no presente diploma, afetando a esta atividade veículos não licenciados como táxis”.

O primeiro projeto de regulamentação dos TVDE foi aprovado com votos a favor do PS, PSD e CDS-PP, com a abstenção do PAN e com os votos contra do PCP, Bloco de Esquerda e Os Verdes. Todos os partidos tinham projetos de regulamentação próprios, o que acabou por atrasar a elaboração da proposta que foi discutida em março no Parlamento.

A contribuição que as plataformas deveriam entregar ao Estado fez parte do braço de ferro entre o PS e o PSD que durou cerca de um ano. A inclusão desta taxa foi uma iniciativa dos sociais-democratas, que acabou por merecer a concordância do PS e incluída no diploma final.

Sobre esta mudança, fonte oficial da Cabify disse ao Observador que a empresa “está já a preparar-se para cumprir com todos os requisitos que venham a ser exigidos pela regulação. Consideramos importante que exista um projeto de melhoria da mobilidade nas cidades portuguesas e queremos fazer parte dele em todas as suas dimensões. Temos acompanhado de perto todo este processo e é com expectativa que esperamos ver amanhã dar-se um passo essencial para a mobilidade das cidades portuguesas”.

David Silva, responsável pela Taxiy em Portugal, respondeu que “assim que a lei for aprovada, a Taxify vai cumprir com a legislação em vigor”. A Uber remeteu a sua reação para o final da votação de quinta-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
União Europeia

A crítica da razão europeia (II) /premium

António Covas

A “dinâmica convencional” da Federação Europeia de Estados-Nação será ascendente e descendente, de acordo com o princípio de subsidiariedade, assim se distinguindo de uns Estados Unidos da Europa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)