O primeiro-ministro da Hungria pediu esta sexta-feira uma nova Comissão Europeia (CE) com uma abordagem diferente sobre imigração, considerando que o atual executivo comunitário tem os “dias contados” pela proximidade das eleições europeias de 2019.

“Precisamos de uma nova Comissão, com uma nova abordagem”, disse o nacionalista Viktor Orbán à rádio pública húngara Kossuth em referência às eleições de maio de 2019. Orbán disse que a próxima CE não deve punir países que, como a Hungria, procuram defender as fronteiras da União Europeia (UE) da imigração.

O governo húngaro é um dos que mais se opõe à imigração na UE e aplicou severas leis para restringi-la, incluindo a criminalização daqueles que ajudam pessoas em situação irregular.

Orbán e a Comissão Europeia têm sido censurados pela oposição de Budapeste ao programa de recolocação de refugiados, bem como por algumas iniciativas que os críticos consideram prejudicar a separação de poderes.

O político nacionalista húngaro venceu as eleições legislativas em abril passado com uns claros 49%, depois de uma campanha focada quase exclusivamente na luta contra a imigração, embora os estrangeiros extracomunitários no país sejam uma pequena minoria.