Zimbabué

Mais de cinco milhões de eleitores votam no próximo Presidente do Zimbabué

Mais de cinco milhões de eleitores são esta segunda-feira chamados às urnas para eleger o próximo Presidente do Zimbabué nas primeiras eleições desde a demissão do antigo chefe de Estado.

YESHIEL PANCHIA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de cinco milhões de eleitores são esta segunda-feira chamados às urnas para eleger o próximo Presidente do Zimbabué nas primeiras eleições desde a demissão do antigo chefe de Estado Robert Mugabe, que governou o país durante 37 anos.

O Presidente da República do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa, e o líder da oposição, Nelson Chamisa, vão a votos nas primeiras eleições presidenciais após a demissão de Robert Mugabe que em novembro de 2017 foi obrigado a demitir-se na sequência de um golpe de força do Exército.

O chefe de Estado zimbabueano, Emmerson Mnangagwa, de 75 anos, lidera o partido União Nacional Africana do Zimbabué-Frente Patriótica (ZANU-PF, na sigla inglesa) e chegou ao poder com o apoio dos militares em novembro de 2017.

Nelson Chamisa líder do Movimento para a Mudança Democrática (MDC-T, na sigla inglesa) é o principal opositor de Mnangagwa. O político de 40 anos sucedeu Morgan Tsvangirai que morreu em fevereiro vítima de doença prolongada.

Nestas eleições presidenciais concorrem também Ambrose Mutinhiri da Frente Patriótica Nacional, Thokozani Khupe, vice-primeira-ministra do Zimbábue de fevereiro de 2009 a agosto de 2013 e líder do partido Movimento para a Mudança Democrática (MDC-T, na sigla inglesa), Noah Manyika do partido Construir a Aliança do Zimbábue, Dumiso Dabengwa líder da União do Povo Africano do Zimbabué (ZAPU, na sigla inglesa), Elton Mangoma da Coligação de Democratas (CODE, na sigla inglesa), Joice Mujuru do partido Coligação Arco-íris do Povo e Nkosana Moyo da Aliança para a Agenda do Povo.

O Presidente é eleito por maioria absoluta de votos através de um sistema de duas voltas para cumprir um mandato de 5 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)