Incêndios

Jovens feridos em incêndio de Estremoz: “Cada um deles pensava que os outros tinham morrido”

7.591

Os seis jovens que passavam férias em Estremoz pediram ajuda ao 112, mas o operador só lhes terá desejado "boa sorte". A reconstituição do que aconteceu no Monte do Cerradinho.

FILIPE FARINHA/LUSA

Os seis jovens que ficaram feridos, dois deles em estado grave, no incêndio que deflagrou em Estremoz no sábado, são amigos desde sempre, conta Ana Marques, familiar de um deles ao Observador: “Andaram todos juntos na escola”. No último fim de semana tinham decidido passar uns dias de férias juntos na casa de família de um deles, no Monte do Cerradinho. Enquanto estavam dentro de casa, que o calor apertava lá fora, um dos rapazes viu uma nuvem ao longe. Ao início não deu importância: julgava que era a nuvem de poeiras vinda de África de que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera tem falado nos últimos dias. Quando se apercebeu que, afinal, um incêndio estava a galgar rapidamente até às vizinhanças da casa, o rapaz deu o alerta e o grupo fugiu.

A primeira estratégia dos seis jovens — duas raparigas com 20 e 25 anos e quatro rapazes com idades compreendidas entre os 20 e os 25 anos — foi ligar para o 112. Segundo Ana Marques, um dos rapazes ligou para o número de emergência e explicou que estava no Monte do Cerradinho, que a casa onde estava com mais cinco amigos estava prestes a ser consumida pelo fogo e que todos precisavam de ajuda para fugir das chamas. Mas a resposta foi desanimadora:

Do outro lado da chamada responderam que não sabiam o que era o Monte do Cerradinho, que fica a um quilómetro do centro da vila, e que sendo assim não podiam enviar ninguém para os ajudar. Eles disseram que podiam enviar uma localização GPS para algum membro do 112, mas responderam que isso não seria possível, que não tinha condições para receber a localização GPS”, explica a familiar de um dos jovens.

A seguir, a operadora do 112 que atendeu, desligou a chamada, de acordo com o relato de Ana Marques. Antes terá desejado “boa sorte” ao rapaz que pedia auxílio.

O Observador tentou contactar a Autoridade Nacional de Proteção Civil e o INEM para obter esclarecimentos em relação a estes relatos mas não conseguiu até ao momento obter qualquer comentário.

Com a alegada falta de ajuda do 112, o grupo decidiu utilizar os carros para fugir no sentido contrário do fogo. Estavam dois carros junto à habitação: um Peugeot, que foi o primeiro a sair da casa, e um Mercedes. Segundo Ana Marques, os dois automóveis nunca bateram um no outro apesar do fumo que dificultava cada vez mais a visão: “Os dois carros nunca bateram. Mas o segundo carro, o Mercedes, ao fazer a manobra para sair da casa, tocou nuns arbustos que nessa altura já estavam em chamas. A tinta começou a arder e os miúdos entraram em pânico. Foi nesse momento que os seis decidiram sair do carro e fugir a pé”, descreve Ana Marques.

Entretanto, o fogo avançou mesmo e engoliu os dois automóveis consumindo tudo menos a carcaça dos carros. Quando os bombeiros lá chegaram nem sequer sabiam que aquele incêndio, alegadamente deflagrado por um curto-circuito, já tinha feito seis feridos, dois deles — as duas raparigas — em estado grave.

Já sem hipótese de utilizarem os carros para fugir, os jovens tinham dois caminhos pela frente: o da esquerda iria dar à estrada de asfalto, mas o caminho da direita só iria dar a terra batida. Movidos pelo pânico, o grupo de seis jovens separou-se em três grupos de duas pessoas: um desses grupos seguiu pelo caminho da direita porque nenhuma das duas pessoas conseguia ver nada — o fumo já tinha tomado conta do Monte do Cerradinho — mas apesar de se terem perdido conseguiram chegar a pé ao centro de saúde mais próximo.

Os outros quatro seguiram pelo caminho certo, o da esquerda, à procura da sorte que o 112 lhes terá desejado. Por esta altura “cada um pensava que os outros tinham morrido”, relata a familiar de um dos jovens.

Entre os quatro jovens que seguiram pela esquerda, um deles caiu na estrada e outro decidiu ficar para trás para o acudir. Entre os outros dois, o mais rápido foi em busca de ajuda na vizinhança: primeiro bateu à porta de um vizinho, que não lhe abriu a porta. Depois, descalço, pediu ajuda aos “seis ou sete carros” que passaram por eles, assim como ao carro de bombeiros que seguia em sentido contrário, mas nenhum dos automóveis nem o carro dos bombeiros parou para os acudir.

Só mesmo quando chegou ao caminho de asfalto é que “um anjo da guarda” parou para os apanhar e levou-os até ao centro de saúde onde os outros dois jovens já estavam. Entretanto, os dois jovens que tinham ficado para trás porque um deles caiu também foi acudido por um carro particular que os deixou no centro de saúde.

Só mesmo quando chegaram ao centro de saúde é que foram auxiliados pelo INEM. Antes disso não”, sublinha Ana Marques.

José Ribeiro, responsável pelo Comando Distrital de Évora de Operações de Socorro (CDOS), confirmou que as duas pessoas em estado grave, as duas raparigas, foram levadas de helicóptero para Lisboa, embora uma delas tenha sido entretanto levada para Coimbra. Os outros quatro rapazes foram atendidos no Hospital de Évora: um deles já teve alta, outro foi levado para a unidade de queimados de outro hospital e os outros dois tiveram de ser operados. Segundo José Ribeiro, um carro de bombeiros terá tentado chegar à habitação onde os jovens estavam mas a “violência do incêndio” impediu a viagem: “Tivemos ventos fortíssimos em Estremoz, com registo de quedas de árvores e, com esta violência de propagação, acabaram por ser afetados”.

O incêndio que vitimou estes seis jovens terá começado a partir de um curto circuito no Monte da Chapada, na União de Freguesias de São Bento do Cortiço e Santo Estêvão, nos arredores de Estremoz (Évora): “O que tivemos foi um incêndio rural que progrediu com muita violência”, devido aos “ventos muito fortes” registados na zona, e que lavrou “numa zona de pasto, mato e olivais, com algumas habitações dispersas”, disse o comandante.

O primeiro alerta terá sido dado aos bombeiros às 18h30, mas só mais tarde é que a corporação enviada para o local foi informada dos seis jovens feridos. Entretanto, também uma bombeira terá sido assistida por inalação de fumos. O incêndio foi dominado na noite de sábado para domingo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)