Rádio Observador

Startups

EIA. Acabou a caça aos “grandes unicórnios” do Estoril

A 2ª edição da European Innovation Academy chegou ao fim. Das 10 equipas vencedoras, oito tinham estudantes portugueses que vão ter apoio de mentores e incubadoras para avançarem com os projetos.

O grupo Navismart foi um dos vencedores com uma plataforma de troca de informação que visa otimizar o tráfego marítimo e as operações portuárias

Victor Machado/Bluepeach

A 17 de julho, quando arrancou a segunda edição do European Innovation Academy (EIA), um evento de empreendedorismo que juntou no Estoril 500 jovens de 75 países (maioritariamente dos Estados Unidos e Portugal), Alar Kolk, presidente da EIA, dizia: “Grandes unicórnios podem surgir”. A iniciativa chegou ao fim no final da semana passada e, das 10 equipas vencedoras, houve ideias como copos “smart“, redes sociais para ajudar pessoas sem-abrigo e robôs jurídicos.

Das dez equipas finalistas, oito têm estudantes portugueses e, no final, levaram todas prémios numa edição que teve como principal foco tecnologias de inteligência artificial e de machine learning. No próximo ano os vencedores vão ter apoio de mentoria e arranque dos projetos com responsáveis da HAG Consulting Ventures (uma consultora para estratégia e gestão), da EIA ou da Nixon Peabody (uma sociedade internacional de advogados).

A segunda edição da EIA recebeu nomes como Martin Omander, gestor de programação da Google em Silicon Valley e Ken Singer, professor em Berkeley (de onde vieram cerca de 100 estudantes) e empreendedor.

A EIA é um programa universitário de aceleração em inovação digital na Europa. É uma iniciativa da Beta-i com o banco Santader, a Câmara Municipal de Cascais e a Universidade Nova de Lisboa que se realiza em Portugal desde 2017. A organização espera manter o evento em Portugal “pelo menos” até 2022. . Nos próximos anos espera-se que o evento já decorra nas novas instalações da faculdade de Economia e Gestão da Universidade Nova (a NOVA SBE).

As equipas vencedoras da 2ª edição do EIA, conforme divulgadas em comunicado (apenas as equipas Plum e Gitsmart não tinham estudantes portugueses): 

  • Plum – Plataforma digital que liga expatriados que buscam comida caseira, fresca e saudável.
  • Baby Sisters – Plataforma de elevada qualidade que oferece serviços de babysitters profissionais on-demand.
  • Paralegal Bot – Plataforma de consultoria legal com base em Inteligência Artificial.
  • Navismart – Plataforma de troca de informação que visa otimizar o tráfego marítimo e as operações portuárias, fornecendo aos donos dos barcos informação em tempo-real durante a atracagem. Em simultâneo, ajuda portos e marinas a organizarem o seu fluxo de informação.
  • Proco – Solução que junta estudantes, empresas e universidades, resolvendo muitos dos problemas do mercado de recrutamento com projetos conjuntos.
  • Gitsmart – Solução inovadora na área de recrutamento de TI, reduzindo a quem procura o desperdício de tempo com candidatos não qualificados.
  • Pause – Plataforma direcionada a estudantes que visa criar uma comunidade que encoraja e acaba com os estigmas da saúde mental e da necessidade de pedir ajuda quando esta é de facto necessária.
  • Bellas – Solução que disponibiliza serviços de beleza on-demand de profissionais credíveis e de confiança.
  • Copito/BeGreen – Copos reutilizáveis conectados com uma aplicação interativa, que não só motiva à reutilização como fornece informação de consumo.
  • WeLive – Plataforma social que procura ajudar pessoas sem-abrigo, ligando-os a voluntários, abrigos e organizações de auxílio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)