Benfica

Pizzi e as memórias de um hat-trick no Dragão (e depois de uma noite onde foi como Nené e Coluna)

Pizzi apontou o segundo hat-trick da carreira, após a memorável exibição pelo P. Ferreira no Dragão em 2011. E é preciso recuar a 1955 para ver um médio do Benfica marcar três golos na primeira parte.

Pizzi, o comandante, teve uma noite para mais tarde recordar: nos primeiros três remates, marcou outros tantos golos

AFP/Getty Images

O triunfo do Benfica frente ao V. Guimarães na abertura do Campeonato acabou por confirmar uma regra que começou no último ano de Jorge Jesus e teve prolongamento neste início de quarto ano do reinado de Rui Vitória: os encarnados conseguirem somar os três pontos no encontro inaugural da Liga. E vão cinco, sendo que nem sempre foi assim. Pelo contrário – esta desta série de cinco partidas a entrar com o pé direito, as águias tinham ganho apenas três… em 15 realizados.

No entanto, esta noite acabou por ser inevitavelmente marcada pelo hat-trick de Pizzi, que confirmou as boas indicações que foram deixadas na pré-temporada (curiosamente, aquela onde o seu nome foi menos envolvido com uma possível transferência) e assumiu um papel determinante de uma equipa que continua privada do melhor goleador das últimas quatro temporadas, Jonas. Quem não tem cão, caçou com gato. E caçou a um nível só visto antes por “monstros sagrados” da história do Benfica.

O internacional português apontou apenas o segundo hat-trick da carreira, sendo preciso recuar até maio de 2011 para encontrar o primeiro. Que o próprio dificilmente esquecerá: ao serviço do P. Ferreira, Pizzi começou por reduzir no Dragão para 1-2 aos 48′, fez o 2-3 aos 59′ (antes, Falcao tinha bisado e Hulk marcara o outro golo) e apontou mesmo o empate a três minutos do final, naquele que foi um dos três empates que o FC Porto somou no Campeonato invicto que fez com André Villas-Boas. Uma outra curiosidade – o treinador dos pacenses era então Rui Vitória, que passou depois por Guimarães antes de chegar à Luz. Mas este encontro teve ainda outra particularidade, a de ser mais rápido do que o primeiro.

O facto de ter sido o primeiro encontro do Campeonato também teve o seu feito e Pizzi conseguiu repetir um feito que tinha acontecido pela última vez há quase 40 anos, mais concretamente em agosto de 1979: nessa abertura de prova, o Benfica recebeu e goleou outro Vitória (neste caso, o de Setúbal) por 5-1 com hat-trick de Nené na segunda parte, em apenas 36 minutos (51′, 81′ e 87′). Pietra e Shéu, que viu o encontro na Tribuna Presidencial depois de ter deixado de cumprir funções como secretário-técnico da equipa este verão, a pedido do próprio (mantendo ainda assim outras funções na estrutura do clube).

Por fim, é preciso fazer uma viagem ainda maior no tempo para encontrar um médio do Benfica a conseguir marcar um hat-trick na primeira parte de um encontro do Campeonato. Mas existe, como descobriu o Playmakerstats: na 12.ª ronda do Campeonato Nacional de 1955/56, o eterno capitão encarnado Mário Coluna marcou três golos em apenas 16 minutos (10′, 16′ e 26′), num encontro que chegou com 2-4 ao intervalo e chegou ao fim com 3-5, com um bis do goleador José Águas (20′ e 78′).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)