Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O triunfo do Benfica frente ao V. Guimarães na abertura do Campeonato acabou por confirmar uma regra que começou no último ano de Jorge Jesus e teve prolongamento neste início de quarto ano do reinado de Rui Vitória: os encarnados conseguirem somar os três pontos no encontro inaugural da Liga. E vão cinco, sendo que nem sempre foi assim. Pelo contrário – esta desta série de cinco partidas a entrar com o pé direito, as águias tinham ganho apenas três… em 15 realizados.

No entanto, esta noite acabou por ser inevitavelmente marcada pelo hat-trick de Pizzi, que confirmou as boas indicações que foram deixadas na pré-temporada (curiosamente, aquela onde o seu nome foi menos envolvido com uma possível transferência) e assumiu um papel determinante de uma equipa que continua privada do melhor goleador das últimas quatro temporadas, Jonas. Quem não tem cão, caçou com gato. E caçou a um nível só visto antes por “monstros sagrados” da história do Benfica.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O internacional português apontou apenas o segundo hat-trick da carreira, sendo preciso recuar até maio de 2011 para encontrar o primeiro. Que o próprio dificilmente esquecerá: ao serviço do P. Ferreira, Pizzi começou por reduzir no Dragão para 1-2 aos 48′, fez o 2-3 aos 59′ (antes, Falcao tinha bisado e Hulk marcara o outro golo) e apontou mesmo o empate a três minutos do final, naquele que foi um dos três empates que o FC Porto somou no Campeonato invicto que fez com André Villas-Boas. Uma outra curiosidade – o treinador dos pacenses era então Rui Vitória, que passou depois por Guimarães antes de chegar à Luz. Mas este encontro teve ainda outra particularidade, a de ser mais rápido do que o primeiro.

O facto de ter sido o primeiro encontro do Campeonato também teve o seu feito e Pizzi conseguiu repetir um feito que tinha acontecido pela última vez há quase 40 anos, mais concretamente em agosto de 1979: nessa abertura de prova, o Benfica recebeu e goleou outro Vitória (neste caso, o de Setúbal) por 5-1 com hat-trick de Nené na segunda parte, em apenas 36 minutos (51′, 81′ e 87′). Pietra e Shéu, que viu o encontro na Tribuna Presidencial depois de ter deixado de cumprir funções como secretário-técnico da equipa este verão, a pedido do próprio (mantendo ainda assim outras funções na estrutura do clube).

Por fim, é preciso fazer uma viagem ainda maior no tempo para encontrar um médio do Benfica a conseguir marcar um hat-trick na primeira parte de um encontro do Campeonato. Mas existe, como descobriu o Playmakerstats: na 12.ª ronda do Campeonato Nacional de 1955/56, o eterno capitão encarnado Mário Coluna marcou três golos em apenas 16 minutos (10′, 16′ e 26′), num encontro que chegou com 2-4 ao intervalo e chegou ao fim com 3-5, com um bis do goleador José Águas (20′ e 78′).