Rádio Observador

Vodafone Paredes de Coura

Festival Paredes de Coura 2018 regista um aumento de público estrangeiro

O Festival Paredes de Coura regista um aumento de público estrangeiro que a organização atribui ao "efeito Arcade Fire" mas também ao "charme do evento" e ao sucesso do passa-palavra fora de portas.

JOSÉ COELHO/LUSA

O Festival Paredes de Coura 2018 regista um aumento de público estrangeiro que a organização atribui ao “efeito Arcade Fire” mas principalmente ao “charme do evento” e ao sucesso do passa-palavra fora de portas.

A decorrer na Praia Fluvial do Taboão, nas margens do rio Coura, até domingo, a 26.ª edição daquele que já foi considerado pela revista Rolling Stone como um dos cinco melhores festivais é também um evento familiar, com público de várias idades, mas que exige “umas boas pernas” para calcorrear o anfiteatro natural onde estão espalhados os três palcos.

Em declarações à Lusa, o diretor do festival Paredes de Coura, João Carvalho, apontou um aumento de cerca de 12 por cento de público além-fronteiras, com destaque para Espanha, França, Inglaterra e para um “fenómeno belga”, ainda que sem aumento da publicidade fora de Portugal e de Espanha do festival.

“Cresceu um bocadinho, provavelmente pelo efeito Arcade Fire. Essencialmente [há um aumento de público], espanhol mas há também ingleses, franceses, belgas, não me perguntem porquê, mas há um fenómeno belga que vem crescendo”, descreveu.

O objetivo, referiu, “é manter este crescendo, mas de forma natural”, pelo que o aumento da difusão do Festival fora da Península Ibérica não está no horizonte da organização. “Promovemos aqui e em Espanha. Também não queremos promover muito lá fora porque temos uma capacidade esgotada, queremos mantê-lo assim, não queremos vender mais bilhetes”, referiu.

E porque atrai tanta gente o Paredes de Coura? “Por tudo. É um festival cativante, o espaço é um espaço idílico, é um festival de relações, que deixa nostalgia e saudades ao ponto de quererem voltar”, enumerou João Carvalho. Na relva do anfiteatro natural onde decorre o Festival Paredes de Coura, o sotaque e ambiente familiar corroboram as palavras de João Carvalho, ouvindo-se castelhano e risos infantis, de pais e filhos.

Ivan veio com a mulher, os dois filhos e mais um casal de amigos, também com dois filhos, todos entre os dois e os 5 anos. “Bom, viemos porque gostamos de desfrutar da música ao ar livre, as crianças aqui estão ótimas e vão também aprendendo e criando um gosto musical. Há que os ir educando”, disse, entre sorrisos e o ‘moche’ das crianças.

Vindo de Vigo, na Galiza, Ivan voltou a Paredes de Coura depois de 15 anos de ausência: “Vinha sem filhos, agora volto com as crianças, mas não há muitas diferenças, mantêm-se o essencial, o que é bom”, salientou. Mais perto, do Porto, aos 48 anos, Jaime Correia confidenciou à Lusa que a vinda ao Festival de Paredes de Coura “era um desejo que tinha há muitos anos” mas que só agora se proporcionou.

“Este ano materializei-o. A música, o ambiente o espaço? já conhecia outros festivais. A este nunca tinha vindo, mas o cartaz é uma onde muito fixe. Claro que vim pelos Arcade Fire mas também pelo Tigerman, que sigo, Jungle, Fugly”, acrescentou. No entanto, para o jovem de quase 50 anos o recinto, que destacou ser “muito bonito”, tem defeitos e deixa marcas.

“Tem um senão, o facto de ser muito íngreme, andamos sempre a subir e a descer e dá um pouco conta das pernas”, disse. O público do Paredes de Coura terá ainda que ter pernas esta noite para nomes como Surma, Fleet Foxes, Jungle, Confidence man e pode descansar depois do ‘after-hours’ a cargo do holandês Young Marco.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)