Rádio Observador

Cinema

Primeiro filme de Kevin Spacey após escândalo quebra recordes negativos: só facturou 126 dólares (não é gralha)

113

O "Clube dos Bilionários" é o projeto que o ator norte-americano estava a concluir quando surgiram as alegações de abuso sexual. Nunca nenhum filme tinha gerado tão pouco dinheiro no dia de estreia.

Melinda Sue Gordon

O mais recente filme de Kevin Spacey, “Clube dos Bilionários” (que só tem estreia marcada para Portugal a 27 de setembro) foi um flop de bilheteiras, somando apenas 126 dólares na noite de estreia nos EUA. Segundo o The Guardian, este valor é um recorde negativo.

O Clube dos Bilionários — “Billionaire Boys Club”, no título original — foi o último filme que Spacey fez antes de ser revelado o escândalo de abuso sexual de que foi protagonista.

Apesar de envolver outros “nomes grandes” como o de Ansel Elgort ou o de Taron Egertonthe, o filme estreou em apenas 10 cidades norte-americanas, depois de no mês passado ter sido — discretamente — disponibilizado em alguns sistemas de video-on-demand.

O The Hollywood Reporter estima que o filme tenha gerado, em média, cerca de 10 dólares em cada sala onde foi exibido — valor que, segundo a tabela de preços padrão nos EUA, quase não representa dois lugares ocupados por sala (o preço médio é de 7 dólares). Em comparação, o filme de 2017 “Baby Driver”, onde Spacey foi protagonista, somou mais de 16 milhões de dólares só no fim-de-semana de estreia.

Kevin Spacey, de 59 anos, foi despedido da série “House of Cards” no ano passado, quando as alegações de abuso sexual começaram a surgir. Foi também excluído da produção “Todo o Dinheiro do Mundo”, tendo o ator Christopher Plummer sido escolhido para o substituir.

Foi nesta altura que as dúvidas em relação ao futuro de “Clube dos Bilionarios” começaram a surgir. A Vertical Entertainment, distribuidora do filme, afirmou na altura que o filme ia seguir em frente porque Spacey tinha apenas um “pequeno papel secundário”.

Numa declaração divulgada já este ano, a mesma empresa afirmou: “Esperamos que estas preocupantes alegações associadas ao comportamento de uma pessoa, que eram desconhecidas do público quando o filme começou a ser feito há dois anos e meio e que tem apenas um pequeno papel secundário no ‘Clube dos Bilionários’ manche a estreia do filme.”

“No final, esperamos que o público tire as suas próprias conclusões sobre as repreensivas alegações dirigidas ao passado de uma pessoa, e não á uma equipa inteira que fez este filme acontecer.”

O drama retratado no filme é baseado na história real de um clube social e de investimento com o mesmo nome que fez cabeçalhos na Califórnia dos anos 80, quando foi desmascarado um grupo Ponzi.

Peritos citados pelo jornal inglês afirmam ser muito complicado que o filme consiga chegar aos 1000 dólares de lucro, isto porque o “Clube dos Bilionários” ainda não estreou em Los Angeles e Nova Iorque.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)