Crimes Sexuais

Robin Wright fala pela primeira vez sobre as acusações de assédio sexual contra o ex-colega Kevin Spacey

A protagonista da série "House of Cards" revelou que não se dava com o ator Kevin Spacey fora das gravações e acrescentou que a equipa ficou "surpreendida e triste" com as acusações de assédio sexual.

Melinda Sue Gordon

A atriz e protagonista da série “House Of Cards”, Robin Wright, deu uma entrevista ao programa norte-americano “Today”, esta segunda-feira, onde falou publicamente pela primeira vez sobre as acusações de assédio sexual feitas contra Kevin Spacey, ator e antigo colega. Mas, recusou dar a sua opinião sobre o sucedido.

“Para ser sincera, nós eramos apenas colegas”, começou por dizer Wright, acrescentando que nunca se deu com Spacey “fora do trabalho”. “O Kevin e eu conheciamo-nos entre a ‘ação’ e o ‘corta’ e nas pausas entre as cenas”, disse a atriz. “Eu não conhecia o homem. Eu conhecia o incrível artista que ele é”, acrescentou, reforçando que o ator “nunca foi desrespeitoso” na sua presença.

As denúncias contra Kevin Spacey por alegado abuso sexual ainda não tiveram um final conhecido. Em outubro do ano passado, o ex-protagonista de “House of Cards” foi acusado de ter seduzido o ator Anthony Rapp numa festa em 1986, quando este tinha apenas 14 anos. Nessa altura, Kevin Spacey emitiu um comunicado no qual não negou o episódio, mas disse não se recordar do que teria feito. “Honestamente, não me lembro desta ocasião, foi há mais de 30 anos. Mas se, de facto, me comportei como ele descreve, devo-lhe o mais sincero pedido de desculpas por aquilo que terá sido um comportamento alcoolizado e profundamente inapropriado, e lamento todos os sentimentos que ele descreve ter carregado com ele todos estes anos”, escreveu o ator, vencedor de dois Óscares, confirmando publicamente a sua homossexualidade.

No mês seguinte, oito membros da equipa de produção de “House of Cards” disseram à CNN que Kevin Spacey teria assediado e agredido sexualmente funcionários da série. Logo a seguir, o ator norte-americano foi dispensado da série “House of Cards”. Este mês, voltaram a surgir novas histórias, depois do anúncio de que a Polícia Metropolitana de Londres está a investigar novas alegações de abusos sexuais contra o ator norte-americano, sendo que uma delas remonta aos anos 90.

“O choque foi tão intenso na nação, que toda a gente sentiu que o melhor era afastar-se do assunto”, disse ainda Robin Wright, revelando que toda a equipa da série ficou “surpreendida e muito triste” com o que aconteceu. A atriz disse que não fala com Spacey desde o escândalo e não sabe sequer como voltar a contactá-lo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)