Sob os comandos do blogger de viagens Sergey Dolya, a Land Rover Rússia deu uma volta ao mundo em 70 dias, atravessando 22 países e cinco continentes. A caravana, locomovida por Land Rover Discovery, passou por uma centena de cidades, percorrendo um total de 70 mil quilómetros, numa rota desenhada para que pudesse ser considerada uma circum-navegação completa. Significa isto que começou e acabou no mesmo ponto (Moscovo), sem esquecer a passagem por dois pontos geográficos da superfície terrestre diametralmente opostos.

Sucede que, para cumprir neste tempo essa meta, a volta ao mundo dividiu-se entre 36 mil quilómetros de condução e 34 mil quilómetros de voo, esclarece a Land Rover, adiantando ainda que tratou de providenciar para as equipas da sua filial russa 500 litros de café, 360 hambúrgueres e 130 batidos. No percurso (por terra), foi igualmente necessário “alimentar” os Discovery, que pararam para encher o depósito 169 vezes. Só assim se contabilizaram 500 horas de condução nesta aventura.

A melhoria na capacidade todo-o-terreno, a versatilidade, as tecnologias vanguardistas e o elevado conforto que caracterizam o Discovery ajudaram-nos a atravessar desertos e rios, a enfrentar estradas rochosas de montanhas, selvas espessas e caminhos de terra e a disfrutar as auto-estradas de asfalto”, reconheceu o líder da expedição, Sergey Dolya.

Depois de partir de Moscovo, as equipas atravessaram toda a Rússia, tendo passado por Cheboksary, Ufá, Kurgán, Omsk, Novosibirsk, Krasnoyarsk, Irkutsk e Ulán-Udé, em direcção à Mongólia. Ao fim de três semanas chegaram à primeira antípoda, a cidade chinesa de Enshi, na qual foi colocada uma bandeira da Land Rover. Seguiram-se mais 11 mil quilómetros, para cumprir a etapa asiática, com um voo de Singapura para a Austrália a mudar de continente. Uma semana e 3.000 quilómetros depois, as equipas partiram para a América do Sul, onde chegaram à segunda antípoda, perto da cidade de La Serena, no Chile. Seguiu-se a travessia dos Estados Unidos da América, de costa a costa, através de 11 estados e nove cidades. Cruzado o Atlântico, rumo ao continente africano, Marrocos e Gibraltar acolheram a expedição, que regressaria ao continente europeu, para voltar, 70 mil quilómetros depois, ao ponto de partida: Moscovo.