Aviação

Estado português paga mais do dobro por três helicópteros Kamov para combate aos incêndios

2.505

Reportagem da TVI avança que o Estado português voltou a contratar Heliportugal, com quem teve diferendo no passado. Três helicópteros Kamov custaram 12 mil euros à hora, o dobro do contrato anterior.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Governo voltou a contratar uma empresa com a qual teve um diferendo no passado para fazer frente aos incêndios desta época. Em causa está um contrato para o aluguer de três helicópteros Kamov, por ajuste direto e pelo dobro do contrato anterior, avança a TVI 24. A empresa contratada é a Heliportugal, que já tinha tido um contrato com o Estado e que está agora em tribunal após terem sido detetadas várias irregularidades.

De acordo com a reportagem emitida pela TVI na noite desta terça-feira, o Governo alugou os três Kamov à Heliportugal, para o combate aos fogos entre julho e outubro deste ano, por adjudicação direta e por cerca de 3,6 milhões de euros. Este valor significa que o Estado paga cerca de 12 mil euros por cada hora de voo — mais do dobro pago no contrato anterior, com a Everjets, denunciado em maio deste ano, e que previa um custo de cinco mil euros por hora de voo.

A TVI recorda que o Governo recorreu à mesma empresa com a qual já tinha celebrado um contrato polémico em 2007, numa altura em que António Costa era ministro da Administração Interna. O contrato foi denunciado pelo Estado em 2014, alegando incumprimento da Heliportugal, tendo o mesmo sido enviado para a Procuradoria-Geral da República por suspeitas de irregularidades. O Tribunal de Contas chegou a pronunciar-se sobre o negócio, considerando que o interesse público não foi acautelado. Foram ainda encontradas mais de 200 irregularidades nesses Kamov, desde danos em peças estruturais a reparações feitas com paus e arames, avança ainda a TVI. As imagens a que a estação de Queluz de Baixo teve acesso mostram os danos em algumas das aeronaves.

Alguns dos danos visíveis nos helicópteros Kamov (Foto: TVI)

Imagens revelam fendas nos helicópteros (Foto: TVI)

A mesma reportagem refere ainda que a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) alegou a lei de proteção de dados para não revelar os relatórios operacionais que atestam a aeronavegabilidade dos helicópteros e avança que as licenças para voar em espaço nacional foram atribuídas pela ANAC em apenas três dias. O instituto público, ainda segundo a TVI, disse ter cumprido a lei, mas não especificou as diligências feitas, num curto espaço temporal, em três aeronaves — incluindo a que, em 2009, caiu num lago na Turquia, matando duas pessoas, e que hoje está estacionada em Ferreira do Zêzere para o combate às chamas.

Em comunicado enviado esta quarta-feira, o Ministério da Administração Interna diz que a informação da TVI é “imprecisa”. Garante que a contratação dos três helicópteros pesados de combate a incêndios em 2018 foi precedida de um procedimento de consulta a nove operadores e que as características técnicas do caderno de encargos permitiam a apresentação de propostas com diferentes modelos de helicópteros pesados.

“A Autoridade Nacional de Proteção Civil teve de contratar estas três aeronaves porque a empresa que assegurava a operação e manutenção dos helicópteros Kamov do Estado não cumpriu o contrato, celebrado em 2015, tendo o mesmo sido resolvido definitivamente em maio 2018”, explica o MAI.

Quanto ao preço, diz o Governo que “não é possível comparar contratos plurianuais de remuneração garantida em que os helicópteros são propriedade do Estado com contratos de curta duração, para o período crítico de combate a incêndios, em que aeronaves, operação e manutenção são contratadas a terceiros”.

(Artigo atualizado às 11h00 de 12 de setembro com comunicado do Ministério da Administração Interna)

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)