Organizações de Saúde

Portugal deu passos certos na luta contra o tabaco, mas é preciso mais

Um em cada cinco portugueses maiores de 15 anos fuma, menos do que a média europeia (28%). Esta terça-feira, uma responsável da OMS Europa disse que Portugal deu passos certos na luta contra o tabaco, defendendo, no entanto, que "é preciso fazer mais".

JAGADEESH NV/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um em cada cinco portugueses maiores de 15 anos fuma, menos do que a média europeia (28%), o que demonstra que Portugal deu passos certos, disse, esta terça-feira, uma responsável da OMS Europa, defendendo, no entanto, que “é preciso fazer mais”.

“Atualmente, a taxa de fumadores entre adultos – população acima dos 15 anos – é de cerca de 28% na Europa, [mas] em Portugal é de 20%”, afirmou aos jornalistas a diretora do Programa de Controlo do Tabagismo da Organização Mundial de Saúde (OMS) Europa, Kristina Mauer-Stender, à margem da reunião preparatória dos países da Região Europeia para a Conferência das Partes (COP) da Convenção-Quadro para o Controlo do Tabaco, que decorre esta terça e quarta-feira, em Lisboa.

Estes dados demonstram que “Portugal fez algumas coisas certas, mas, claro, todos concordamos que 28% na Europa é demasiado alto, assim como 20% em Portugal é demasiado alto, portanto é preciso fazer mais”, defendeu Kristina Mauer-Stender.

O tabaco representa uma das principais causas evitáveis de doença e de morte prematura em todo o mundo. Em Portugal, o consumo de tabaco é responsável por 10,6% das mortes, tendo, só em 2016, morrido mais de 11.800 pessoas por doenças atribuíveis ao tabaco, o que significa uma morte a cada 50 minutos. “São vidas perdidas para as famílias, para as crianças, mas também para a economia dos países”, disse Kristina Mauer-Stender, defendendo que é preciso realizar ações para informar as populações sobre os malefícios do tabaco, fazer com que os fumadores larguem o vício e impedir que os jovens comecem a fumar.

Deu como um bom exemplo a campanha realizada recentemente em Portugal, com o título “Opte por amar mais”, uma curta-metragem emotiva baseada nos últimos dados que mostram que, em Portugal, as mulheres estão a fumar mais, ao passo que o consumo tem diminuído entre os homens, que gerou uma discussão acesa no país.

Segundo o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, esta campanha foi “a campanha mais vista em termos de tabaco em Portugal”, estando “a ser utilizada como um bom exemplo em diversos países”. “Esta campanha, focada muito nas mulheres jovens, trouxe a discussão do tabaco para a primeira linha de prioridade do ponto de vista de comunicação e ajudou, em termos de saúde pública, a ajudar a passar a mensagem”, disse Fernando Araújo, à margem reunião.

O governante destacou os “avanços significativos” feitos por Portugal nesta área, apontando o acesso às consultas de cessação tabágica. “Nos últimos anos aumentámos em mais de 40% os locais [onde se pode ter consultas para deixar de fumar], o que proporcionou que o número de consultas crescesse de forma exponencial”, sublinhou.

No ano passado, também foi reintroduzida a compartição dos medicamentos antitabágicos, disse, sublinhando que “o preço era um fator limitativo no acesso a esses fármacos”. Com esta medida, que representou um investimento do Estado de cerca de um milhão de euros, o consumo destes fármacos duplicou de 2016 para 2017, afirmou.

No dia 1 de janeiro, entrou em vigor a segunda alteração à Lei do Tabaco, com destaque para a abrangência, no conceito de fumar, dos novos produtos do tabaco sem combustão que produzam aerossóis, vapores, gases ou partículas inaláveis. “Os novos produtos do tabaco são um problema que está a aumentar em todo o mundo e que felizmente Portugal já está à frente nesse objetivo”, com a nova lei do tabaco, adiantou.

Sobre o facto de Portugal ter sido o palco escolhido pela OMS para a realização da reunião preparatória dos países da Região Europeia, Fernando Araújo disse ser “o reconhecimento internacional da política do Ministério da Saúde na área do tabaco”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)