Economia

Roubini, economista apelidado de ‘Dr. Doom’, prevê crise e recessão globais em 2020

176

O economista norte-americano assina, em conjunto com Brunello Rosa, um artigo no Financial Times em que prevê uma nova crise financeira mundial em 2020. Há um "território de bolha", avisam.

AFP/Getty Images

O norte-americano Nouriel Roubini prevê uma “crise financeira” e uma “recessão global” em 2020. Num artigo de opinião (acesso limitado) no Financial Times assinado em conjunto com Brunello Rosa, os economistas constatam que se está a cozinhar um cenário propício para o surgimento de uma nova crise global.

Os fundadores da consultora Rosa & Roubini Associates foram convidados pelo jornal para escrever uma coluna de análise para assinalar os dez anos da falência do Lehman Brothers. Na peça, usam esta data redonda como pretexto para questionar “quando – e porque – ocorrerá a próxima recessão e crise financeira”.

“A expansão global deverá continuar nos próximos dois anos – porque os Estados Unidos apresentam grandes défices orçamentais, a China continua a apostar em políticas de estímulo e a Europa prossegue o caminho da recuperação económica. No entanto, há várias fatores que podem criar as condições necessárias para uma recessão mundial e uma crise financeira em 2020“, escrevem.

A contínua subida dos juros por parte da Reserva Federal americana atingirá valores que consideram demasiado elevados nos primeiros meses de 2020. “Cerca de 3,5%”, especificam. Segundo esta análise, também a política de rutura de acordos que tem sido seguida pela administração de Donald Trump vai ter um efeito negativo nos Estados Unidos, pela via do aumento da inflação.

Dois fatores que afetarão a economia norte-americana, mas que não estarão isolados. A China, antecipam, começará a ressentir-se do sobreendividamento e o ritmo da Europa irá abrandar com a redução dos estímulos até agora promovidos pelo Banco Central Europeu.

Todos estes ingredientes parecem estar a contribuir para a criação de uma crise financeira e uma recessão global. “Há um terreno de bolha”. O problema, advertem, é que as respostas políticas serão “menos eficazes” do que as que estavam disponíveis há dez anos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)