A equipa de Xavier Viegas, coordenador do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais, só identificou cerca de metade das habitações que a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional tem registadas com necessidade de serem reconstruidas. O investigador de Coimbra reconhece que é uma falha não ter falado nisso mais cedo, mas admite que com o volume de trabalho que lhe competia desenvolver, não tinha conseguido “ligar as pontas” antes.

“Havia indicação por partes das entidades, nomeadamente das câmaras municipais, de casas que poderiam ter sido destruídas pelo fogo e que possivelmente poderiam ser alvo de apoio. E vimos que para algumas não era realidade, ou porque não tinham sido afetadas pelo incêndio, ou porque já eram ruínas antes do incêndio passar”, disse Xavier Viegas numa entrevista à RTP e Antena 1.

O investigador da Universidade de Coimbra admite que os dados de que dispõe podem não estar 100% corretos, mas assegura que tem muita informação que pode ser útil. Não era objetivo da sua equipa fazer o levantamento destas habitações e nunca foram chamados a envolver-se no processo. “Este tipo de questões eram referidas de vez em quando, mas começaram a ser mais faladas já após a entrega do relatório em outubro”, diz Xavier Viegas, que de junho a outubro teve uma equipa no campo a analisar o incêndio de Pedrógão Grande.

O relatório divulgado em outubro de 2017 não tem todas estas indicações. Xavier Viegas explica que visitaram mais de mil locais e, para cada um deles, registaram mais de 20 parâmetros, o que faria com que o relatório final ficasse com mais de mil páginas em vez da “súmula” que foi apresentada. Mas admite estar disponível para colaborar com a Polícia Judiciária na investigação desta situação.

O trabalho de investigação feito pela equipa de Xavier Viegas contou com a colaboração das câmaras municipais dos locais afetados, mas nenhuma foi tão pouco cooperante como a de Pedrógão Grande. “O que nos surpreendeu mais neste processo foi que o senhor Valdemar Alves tivesse sido reeleito como presidente da Câmara. Um homem que esteve à frente da câmara durante vários anos e não tinha o plano de prevenção municipal aprovado”, diz o investigador. “E depois, no trabalho de investigação que fizemos, tivemos imensa dificuldade em obter qualquer informação por parte desta câmara, dificuldade até em sermos recebido por este senhor.”

Porque é que não denunciou os casos irregulares mais cedo? “Reconheço que é uma falha. Temos esse dever cívico”, diz o investigador. E o problema é exatamente as pessoas saberem das situações e não as denunciarem, como refere. Mas defende-se que não falou antes porque não se tinha apercebido da importância desta questão.