Praxes

Fotografia de caloiros em roupa interior surge nas redes sociais. Faculdade de Arquitetura desmente que se trate de praxe

2.750

Surgiu nas redes sociais uma imagem onde alguns alunos da Faculdade de Arquitetura de Lisboa apareciam de roupa interior, no que parecia ser uma praxe. "Está descontextualizado", diz a instituição.

Tratou-se de uma "ação voluntária e de auto-recriação por parte de alguns alunos", garante a Faculdade de Arquitetura

Esta quinta-feira surgiu nas redes sociais uma fotografia que levantou alguma polémica: vários alunos recém-entrados na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa surgiam de roupa interior, naquilo que parecia tratar-se de uma atividade de praxe. Na descrição da imagem, a utilizadora que partilhou a fotografia escreveu: “Ora bem… em 2001 fui caloira da FA-UL e participei nas praxes: andei pintada de verde, cantei umas coisas sobre o Taveira, fiz o rally das tascas e fui batizada na fonte em Belém, diria até que me diverti… Mas agora andar por aí de roupa interior é… demais? Alguém controla as praxes ou faz-se o que qualquer um propõe??”.

A publicação motivou rapidamente dezenas de comentários que condenavam a alegada atividade de praxe. Contactada pelo Observador, a Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa garantiu que se tratou de uma “ação voluntária e de auto-recriação por parte de alguns alunos” que decidiram retirar algumas peças de roupa devido ao calor que se fazia sentir. Além disso, a instituição acrescentou que não podia tratar-se de uma atividade de praxe já que esta “decorre num espaço interior e não no local onde a foto foi tirada”. “É uma fotografia completamente descontextualizada”, afirma a Faculdade de Arquitetura.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)