Rádio Observador

Audi

A6 Avant. Provavelmente, a melhor carrinha de luxo do momento

A nova A6 Avant é mais atraente e esguia, sem comprometer a versatilidade, e é mais luxuosa e requintada, sem fazer disparar os preços. Usufrui ainda de tecnologias que a tornam extremamente eficaz.

O segmento das carrinhas de luxo pode não incluir uma grande diversidade de propostas, mas há sempre um trio de marcas alemãs que disputa o estatuto da melhor do segmento. E a tarefa não é fácil, pois em contenda estão não só a A6 Avant da Audi, como também a Série 5 Touring da BMW e a Classe E Station da Mercedes. Isto se não considerarmos as propostas de recém-chegados com veículos igualmente interessantes, mas com menos pedigree, como o Volvo V90.

A este tipo de carrinhas pede-se de tudo um pouco, desde serem deslumbrantes a, no instante seguinte, serem igualmente versáteis e capazes de carregar com todas as necessidades de uma família numa ida de férias, o que torna a capacidade da bagageira um tema fulcral. Isto além de oferecerem os requintes típicos de um veículo de luxo, tecnologia a rodos – pois este tipo de clientes faz questão de ter à sua disposição o último grito em soluções técnicas, sejam elas viradas para o conforto ou para as ajudas à condução –, para culminar com uma eficácia que faça frente a muitos desportivos, apesar de se tratar obviamente de modelos mais generosos em termos de dimensões e peso.

Maior, mas sobretudo mais elegante

A nova Audi A6 cresce em termos de dimensões exteriores, anunciando 4,94 m de comprimento (mais 2,3 cm) 1,88 m de largura (mais 1,2 cm), 1,49 m de altura mais 3,3 cm) e 2,92 m entre eixos (mais 1,2 cm), o que deixa antever mais espaço a bordo, e todo ele a beneficiar o habitáculo, uma vez que a bagageira continua nos 565 litros, capacidade que pode disparar até aos 1.680 com o rebatimento dos assentos posteriores.

Mas o que salta à vista é que o espaço interior não foi conseguido à custa da forma e muito menos do estilo, com a A6 Avant a exibir uma linha ainda mais esguia, graças a um portão traseiro mais inclinado e uma frente que parece maior e mais volumosa, conferindo à carrinha um ar mais possante, para o que contribui a nova grelha da marca de maiores dimensões, ladeada por faróis LED, tanto à frente como atrás, onde surgem ligados por um elemento transversal.

Pena é que, no processo, a Audi não tenha conseguido reduzir o peso da carrinha, que para a mesma mecânica acusa mais cerca de 60 kg quando colocada sobre a balança. Contudo, esta falta de dieta compreende-se pela inclusão de sistemas como a direcção às quatro rodas e o Mild Hybrid, ambos consideráveis pesados.

Como é por dentro?

Se quer fazer uma ideia como é o A6 Avant por dentro, imagine um A8 e retire-lhe um dedo na largura e um pouco mais no comprimento. Similar à berlina, a carrinha herda o painel de instrumentos digital, completado por dois ecrãs no centro do tablier, colocados um sobre o outro. É através deles que o condutor (e o passageiro) podem controlar todas as funções do veículo, o que se revela uma operação mais fácil do que é habitual noutros modelos.

Os materiais utilizados são excelentes, tal como o rigor nos acabamentos, sendo evidente que há mais espaço lá dentro. Segundo a marca, quem se senta atrás tem mais 2,1 cm para acomodar as pernas, 1,4 cm para os ombros e 0,7 cm para os ombros.

Independentemente do incremento do espaço interior, o que melhorou igualmente foi o isolamento, com a carrinha A6 a filtrar melhor o ruído de rolamento e rumorosidade exterior. Conduzimos a versão equipada com motor 2.0 TDI, com quatro cilindros e outra com o 3.0 V6 e em ambos os casos o barulho e as vibrações da mecânica passaram a ficar “mais longe”.

A suspensão pneumática, disponível como opção em praticamente todas as versões, transforma a Avant num tapete mágico, incrementando o conforto (além de manter a altura constante e poder reduzi-la a alta velocidade, para reforçar a aerodinâmica), mas formando também um isolamento mais eficaz a tudo o que vem lá de fora, provocado pelo piso ou pelos pneus.

Que mecânicas estão disponíveis?

Para já o A6 Avant vai oferecer a maioria das opções com motores a gasóleo, a começar com a versão 40 TDI, com motor 2.0 de quatro cilindros e 204 cv. Com motor 3.0 V6 TDI surge a 45 TDI e a 50 TDI, a primeira a extrair 231 cv e a segunda 286 cv, da mesma unidade. Posteriormente, estarão disponíveis as duas versões a gasolina, respectivamente a 45 TFSI (com motor 2.0 Turbo de 252 cv) e 55 TFSI (com motor 3.0 V6 de 340 cv).

De realçar que todos os motores recorrem à tecnologia Mild Hybrid, em que um sistema de 48V (12V nos motores de quatro cilindros), alimentado por uma segunda bateria, assegura o correcto funcionamento (além de mais rápido e confortável) do sistema Start&Stop, e a função “à vela”, em que o motor desliga sempre que desaceleramos numa descida, por exemplo, ainda que garantindo sempre a assistência na direcção e nos travões.

Com este sistema, a Audi assegura uma redução de 0,2 a 0,3 litros no consumo médio nas versões equipadas com sistema de 12V e entre 0,5 e 0,7 litros nas versões com motor V6, uma redução inferior à que se poderia atingir com a adopção de um sistema híbrido plug-in, sem que este obrigasse a um custo superior.

Como é ao volante?

Grande e confortável, o A6 Avant parece um brinquedo quando se tem de conduzir através da cidade ou de uma estrada mais sinuosa. Tudo porque as quatro rodas direccionais lhe permitem curvar com menos esforço e maior eficácia. E isto com piso seco, pois quando a estrada está molhada, ou escorregadia, as vantagens serão ainda superiores.

A direcção transmite as necessárias sensações ao condutor, sem ser pesada, e controlar os sistemas de entretenimento ou ajudas à condução é fácil e imediato, o que se agradece especialmente quando a marca anuncia 39 soluções destinadas a tornar a vida do condutor mais fácil.

As unidades que conduzimos estavam ambas equipadas com suspensões reguláveis, o que nos permitiu ajustar o grau de conforto e de eficácia ao tipo de condução em cada momento. É claro que o condutor pode ser chamar a si esta decisão, mas a verdade é que se confiarmos no sistema automático tudo funciona igualmente na perfeição, sem qualquer trabalho ou atenção de quem vai ao volante.

Quando chega e por quanto?

A nova Audi A6 Avant começa a ser oferecida no mercado português durante o mês de Outubro, com a versão mais acessível, a 40 TDI (com 204 cv) a ser comercializada por 62.500€, que representará o grosso das vendas.

Com a carrinha a ser proposta em três níveis de equipamento (Base, Sport e Design), além dos packs que permitem a cada condutor personalizá-la a seu gosto, a Avant passa a ser a referência no segmento, não só pelo espaço e nível de equipamento que disponibiliza, como pelos sistemas que proporciona, tanto os que visam o conforto como a segurança.

As quatro rodas direccionais, em que as traseiras viram em direcção contrária às da frente até 60 km/h, para depois apontarem no mesmo sentido a partir daí, são um bom argumento para quem gosta de conduzir um veículo ágil e dinâmico, mas necessita de um carro grande e com muito espaço interior.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)