Rádio Observador

Taxistas

Taxistas de outras cidades começaram a juntar-se ao protesto em Lisboa

165

Taxistas de Aveiro, Leiria, Coimbra e Águeda juntaram-se nesta manhã aos colegas de Lisboa, na Praça dos Restauradores, onde foram recebidos com aplausos e palavras de ordem.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Taxistas de Aveiro, Leiria, Coimbra e Águeda juntaram-se esta manhã de domingo aos colegas de Lisboa, na Praça dos Restauradores, onde foram recebidos com aplausos e palavras de ordem, no protesto contra a lei das plataformas de transporte.

Pelas 11h30, mais de uma dezena de táxis oriundos principalmente daquelas cidades, mas também de Ovar e Marinha Grande, desceram a Avenida da Liberdade, escoltados pela polícia, em direção à Praça dos Restauradores, onde os colegas de Lisboa, paralisados naquela zona da cidade há cinco dias, os receberam em festa.

“Costa, urgente, ouve o presidente”, “nem um passo atrás”, “somos táxi” e “a união que nos faz lutar é a união que nos faz vencer” foram as palavras de ordem que se fizeram ouvir à chegada dos taxistas vindos de outras cidades.

Dezenas de taxistas reunidos na praça central aplaudiram a chegada dos colegas, que acenavam pela janela, enquanto aqueles que se mantinham junto aos seus carros ao longo da avenida buzinavam à sua passagem.

Estes foram os primeiros de muitos outros taxistas de várias zonas do país que se deverão juntar ao protesto em Lisboa, disse à Lusa, no local, Florêncio Almeida, dirigente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros de Passageiros (ANTRAL).

Segundo o responsável, por volta das 14h00 são esperados cerca de 40 táxis vindos da zona de Oeiras e na segunda-feira está previsto que mais de 60 da margem sul se juntem ao protesto na capital.

Florêncio Almeida considera que, ao quinto dia consecutivo de protesto, a mobilização que está a paralisar táxis em Lisboa, Porto e Faro mostra a força destes profissionais e a sua determinação em não recuar até terem uma proposta concreta que inviabilize a entrada em vigor (prevista para 01 de novembro) da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros.

“O primeiro-ministro tem de nos arranjar um interlocutor que nos ofereça alguma coisa, porque o ministro [do Ambiente, que tutela os transportes] em vez de nos acalmar, só tem vindo a incendiar mais os ânimos”, disse.

Florêncio Almeida explica esta sua afirmação com as declarações do ministro no parlamento, segundo as quais “já foram resolvidos vários problemas do setor”.

“Não resolveu um único assunto”, afirmou, acusando-os o governante de “má fé” e de se ter “vendido às plataformas”.

Ao longo da avenida da Liberdade, os taxistas que estão há cinco dias de pedra e cal junto aos táxis têm, aos poucos, transformado a zona numa extensão da casa.

Hoje, um pouco por todo o lado, era possível ver familiares de taxistas que se lhes juntaram, mesas abertas à sombra de árvores, onde alguns conversavam, outros comiam e outros, ainda, jogavam às cartas.

Muitos táxis mantinham-se com a porta da bagageira aberta, a funcionar como toldo e até colchões foram levados para o local: na Praça dos Restauradores, à sombra da estátua, dois colchões estendidos serviam de sofá para alguns taxistas se sentarem, encostarem e até dormirem.

As associações de taxistas foram recebidas no sábado pelo chefe da Casa Civil da Presidência da República, e decidiram manter o protesto, até serem recebidos pelo primeiro-ministro.

Depois do encontro, a delegação de representantes dos taxistas, encabeçada pelos presidentes da ANTRAL, Florêncio de Almeida, e da Federação Nacional do Táxi, Carlos Ramos, entregou uma carta no gabinete do primeiro-ministro no Terreiro do Paço, em Lisboa, a pedir uma intervenção com urgência para resolver as suas reivindicações.

Para segunda-feira, às 15h00, está marcada uma vigília junto à residência oficial do primeiro-ministro, provisoriamente deslocada para a Praça do Comércio, enquanto decorrem obras em São Bento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Taxistas

Táxi? Não, carro com motorista /premium

Helena Garrido
135

Que serviços presta hoje um táxi ou a Uber? Com as escolhas que existem nas cidades, na era da economia da partilha, os taxistas que não o perceberem estão condenados. Nenhum governo os pode salvar.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)