O CEO do construtor americano Ford, James Hackett, acusa as medidas avançadas pela administração Trump de estarem a causar à sua empresa contínuas obstruções, que deverão provocar uma redução da facturação num valor próximo de um milhão de dólares. E deu como exemplo a anulação da prevista exportação do Ford Focus Active – uma versão crossover do popular modelo – da China para os EUA.

Mas uma das maiores fatias no encaixe da Ford provirá dos impostos que Trump criou à importação de aço, o que obriga os fabricantes a trabalharem com matéria-prima mais cara, sem que possam fazer reflectir esse aumento no preço final. Segundo Hackett, só isso vai cortar mais de mil milhões aos lucros da Ford.

No entanto, a administração americana não está a pensar ficar por aqui em termos de impostos proteccionistas, uma vez que em cima da mesa está a possibilidade de criar um imposto de 25% para todas as peças de automóvel ou veículos completos provenientes da Europa rumo aos EUA.

Segundo analistas de mercado, a referida taxa vai impôr um aumento entre 1.800 e 5.700 dólares por veículo, o que dentro de uns anos irá afectar a economia americana e provocar uma perda de até 300.000 postos de trabalho.