Incêndios

Fogo em Sintra e Cascais. Dois bombeiros feridos e 47 pessoas pessoas retiradas de casa

16.297

O incêndio deflagrou às 22h50 em Sintra, mas alastrou-se a Cascais. Mais de 735 bombeiros estão a combater o incêndio. Quatro aldeias evacuadas: Biscaia, Almoinha, Figueira do Guincho e Charneca.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Está neste momento ativo um incêndio de grandes proporções que começou numa zona de mato cerrado, junto ao Convento da Peninha, em Sintra. O incêndio deflagrou por volta das 22h50, alastrou-se entretanto a Cascais e está a ser combatido por 738 bombeiros, apoiados por 220 veículos, indica o site da Proteção Civil. Com o raiar do dia as autoridades começaram a usar também cinco aviões (dois deles pesados) e um helicóptero no combate às chamas.

O ataque incêndio na noite de sábado deixou dois bombeiros ligeiramente feridos. Uma casa foi afetada pelas chamas e 47 pessoas tiveram de ser retiradas das suas habitações, informou a Proteção Civil já na madrugada de domingo.

“Temos dois bombeiros feridos leves, que não inspiram cuidados, foram assistidos no local. E temos danos confirmados num veículo ligeiro e num anexo de madeira que ardeu na Figueira do Guincho e numa casa de habitação e dois anexos na zona da Biscaia”, adiantou o comandante distrital de Lisboa da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANMP), André Fernandes.

Em direto: incêndio na Serra de Sintra

Posted by Observador on Saturday, October 6, 2018

Nos primeiros momentos do incêndio, o presidente da câmara de Sintra, Basílio Horta, fez um ponto de situação alarmante à CMTV, quando estava no posto de comando no combate ao fogo: “É uma coisa terrível, estou no posto de comando, mas se calhar temos de ir embora porque o fogo está a descer e está a chegar aqui. Estão quase 400 homens a combater mas não temos meios aéreos”. Audível no contacto telefónica era o intenso vento que se fazia sentir na zona.

Os nossos homens e mulheres estão a lutar contra as chamas. É hora de manter a calma e confiar nos nossos bombeiros. Tudo está a ser feito para proteger a nossa Serra.

Posted by Basílio Horta on Saturday, October 6, 2018

De início, as chamas começaram numa zona sem povoações perto, mas a intensidade do vento alastrou o incêndio com bastante velocidade. De acordo com o que apurou o Observador, foram evacuadas casas na povoação de Biscaia (Alcabideche, perto da praia do Guincho), na aldeia de Almoinhas (Alcabideche) e em Figueira do Guincho, a menos de um quilómetro de Biscaia. Por volta das 02:10 o incêndio evoluiu para duas frentes de fogo.

De acordo com a SIC, o fogo também terá atingido casas na localidade de Malveira da Serra. A aldeia da Charneca (Cascais) também foi evacuada, por precaução.

Pouco antes, o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, tinha afirmado — citado pela Lusa — que não existia “registo de casas ardidas, vítimas mortais ou feridos, na sequência do incêndio”. “Se existir a necessidade de evacuação, apelo que os cidadãos respondam de forma positiva”, disse.

Carreiras disse ainda que os meios que estão a ser usados nas operações têm sido os aconselháveis. “A velocidade do vento pode acelerar em termos de terreno”, mas as autoridades estão a dar uma resposta positiva, afirmou.

O Presidente da República esteve em Sintra na noite de sábado, tendo reunido com Basílio Horta nos Paços do Concelho. Marcelo Rebelo de Sousa chegou aos Paços do Concelho cerca das 00:45 para acompanhar, juntamente com o presidente da autarquia, a evolução do incêndio. Saiu quase duas horas depois e, de acordo com a Lusa, foi depois para Cascais, onde também esteve reunido com Carlos Carreiras.

Continuamos a acompanhar o incêndio desta noite que neste momento deixou Sintra e está em Cascais. Os nossos bombeiros estão no terreno e tudo faremos para salvaguardar pessoas e bens.

Posted by Basílio Horta on Saturday, October 6, 2018

O fogo, impulsionado pelo vento, também chegou à localidade da Malveira da Serra, no concelho de Cascais. De acordo com a Proteção Civil, a Estrada Nacional 247 permanece cortada entre Malveira da Serra e o Cabo da Roca.

Carlos Carreiras deu conta que as autoridades estão prontas para evacuar localidades e habitações isoladas perto do Guincho. “Estamos três passos à frente” do fogo, disse.

Estou a acompanhar. Os meios estão todos mobilizados.Solicitamos a toda a população que não se desloquem para o local,…

Posted by Carlos Carreiras Pessoal on Saturday, October 6, 2018

Logo do início do combate às chamas, o destacamento da GNR em Sintra contactou o Comando Distrital de Operações de Socorro de Lisboa.

Segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, a Capela de Nossa Senhora da Penha ou Santuário da Peninha “é um edifício situado numa elevação da Serra da Sintra, na freguesia de Colares, no concelho de Sintra, em Portugal. Foi edificada no fim do século XVII por Frei Pedro da Conceição”.

Fogo na Serra de Sintra :(

Posted by Marco Almeida on Saturday, October 6, 2018

Entretanto, em nove minutos (entre as 00:16 e as 00:25) deflagraram em Odivelas e Sintra mais três incêndios considerados preocupantes pela Proteção Civil. O primeiro teve início às 00:16 em Agualva-Cacém (Sintra, distrito de Lisboa) e esteve a ser combatido por mais de uma dezena de homens e uma viatura. Às 00:21 outro fogo foi detetado no Bairro dos Carrascais (Odivelas), envolvendo agora 14 homens e 4 carros. O terceiro fogo foi em Caneças.

Horas antes do início deste incêndio na Serra de Sintra, o comandante operacional da Proteção Civil Pedro Nunes tinha chamado à atenção para o perigo das atuais condições meteorológicas.  O risco de incêndio vai manter-se elevado em todos os distritos até ao dia 10 de outubro, completou.

“Para os próximos dias, podemos esperar condições meteorológicas muito idênticas aquelas que temos vindo a observar desde dia 1, ou seja, um tempo seco, com bastante vento, moderado a forte, com especial incidência nas terras altas. A humidade relativa vai permanecer extremamente baixa, quer no período diurno quer no período noturno”, tinha afirmado do comandante.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)