Fundo Monetário Internacional

FMI revê crescimento da economia portuguesa em baixa e antecipa abrandamento

147

O FMI reviu em baixa a estimativa de crescimento da economia portuguesa deste ano para 2,3% e estima um abrandamento para 1,8% no próximo ano. Dívida deve reduzir-se para 103% do PIB até 2023.

JIM LO SCALZO/EPA

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu em baixa a estimativa de crescimento da economia portuguesa deste ano para 2,3% e estimar que o PIB avance só 1,8% em 2019, abaixo do previsto pelo Governo. De acordo com o ‘World Economic Outlook’ (WEO), relatório com previsões económicas mundiais divulgado esta terça-feira em Bali, na Indonésia, o FMI piorou a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) português deste ano de 2,4% previstos em abril para 2,3%.

A previsão para 2018 está em linha com o estimado pelo Governo, que prevê que a economia cresça 2,3% no conjunto do ano, segundo o Programa de Estabilidade 2018-2022 apresentado em abril. Para o próximo ano, o FMI continua a estar menos otimista do que o Governo, mantendo a estimativa de crescimento do PIB em 1,8% e prevendo um abrandamento mais cedo do que o Governo, já em 2019.

No Programa de Estabilidade, o Governo estima que a economia cresça acima de 2% até 2022, avançando 2,3% em cada um dos anos até 2020 e abrandando em 2021 e 2022 ao crescer 2,2% e 2,1%, respetivamente. Por outro lado, o FMI continua a estar mais otimista do que o Governo quanto ao mercado de trabalho, prevendo que a taxa de desemprego fique abaixo dos 7% já no próximo ano.

No relatório, o FMI prevê que a taxa de desemprego fique nos 7% este ano e desça para 6,7% no próximo. O Governo, por sua vez, antecipa que a taxa de desemprego se reduza para 7,6% em 2018 e para 7,2% em 2019, ficando abaixo dos 7% apenas em 2020 (6,8%) e descendo para 6,5% em 2021 e para 6,3% em 2022.

Ao contrário do executivo, o FMI estima que saldo da balança corrente se deteriore, sendo nulo este ano passando a um défice de 0,3% do PIB em 2019. No Programa de Estabilidade, prevê-se que o excedente da balança corrente cresça para 0,7% do PIB este ano, mantendo-se nesse valor até 2020 e reduzindo-se até 0,4% do PIB em 2022. As projeções do FMI para 2018 baseiam-se no Orçamento do Estado deste ano e refletem as previsões macroeconómicas dos técnicos da instituição. As projeções para 2019 têm em conta um cenário de políticas inalteradas.

Economia mundial em desaceleração

A nível global, as previsões do FMI não são mais sorridentes. As estimativas de crescimento da economia mundial andam nos 3,7% em 2018 e 3,7% no próximo ano, os mesmos valores de 2017, o que reflete um cenário de estabilização em vez de aceleração. É também uma revisão em baixa face às estimativas anunciadas pelo FMI em julho, altura em que apontava para uma aceleração da economia para 3,9% em ambos os anos.

Vai continuar a expansão estável da economia global que está em curso desde meados de 2016, com o crescimento projetado para 2018-2019 a permanecer ao nível de 2017″, refere o relatório do FMI.

O FMI destaca ainda que, apesar desta estagnação, “a expansão da economia mundial tornou-se menos equilibrada e pode já ter atingido o pico em algumas economias”. E, nos últimos seis meses, reforça, “aumentaram os riscos descendentes para o crescimento global e diminuiu o potencial para surpresas positivas”.

Na mesma avaliação divulgada hoje, a instituição liderada por Christine Lagarde também vê a economia europeia a abrandar em 2019, mas de forma menos pronunciada. Depois do crescimento de 2,4% no ano passado, a expansão da zona Euro vai abrandar para 2% este ano (menos duas décimas) e 1,9%, o mesmo que era estimado em Julho. A economia alemã, cujo crescimento deve abrandar para 1,9% em 2018 e 2019 (depois de crescer a um ritmo de 2,5% em 2017), é a principal responsável por esta desaceleração europeia.

Dívida pode reduzir-se para 103% até 2023

O FMI estima ainda que Portugal consiga reduzir a dívida pública para perto de 103% do PIB até 2023, uma redução superior a 20 pontos percentuais, segundo o ‘Fiscal Monitor‘ divulgado também esta terça-feira. No relatório com as previsões orçamentais do mundo, o FMI prevê que a dívida pública portuguesa vá reduzir-se de 125,7% do PIB em 2017 para 102,8% em 2023, o que representa uma diminuição de 22,9 pontos percentuais no período.

As previsões de outubro representam uma ligeira melhoria face às projeções de abril, que são coordenadas pelo ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar, agora diretor do FMI. No Programa de Estabilidade 2018-2022, o Governo estima uma redução da dívida pública de 23,6 pontos percentuais do PIB, mas em cinco anos (até 2022).

O executivo conta reduzir a dívida pública para 122,2% em 2018, para 118,4% em 2019, para 114,9% em 2020, para 107,3% em 2021 e para 102% em 2022.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)