Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) decidiu esta terça-feira que vai apoiar oficialmente Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), na segunda volta das eleições presidenciais do Brasil. O presidente do partido, Carlos Siqueira, afirmou que esta decisão foi tomada como forma de combater “uma candidatura [a de Jair Bolsonaro] que representa o extremo oposto da candidatura das forças democráticas”.

“Não estamos a apoiar o candidato do Partido dos Trabalhadores, estamos a apoiar um candidato que vai enfrentar, que vai conduzir e vai liderar uma frente democrática tentando chegar à Presidência da República”, afirmou ainda Siqueira, citado pelo G1. O partido reuniu na sua sede, em Brasília, para tomar a decisão.

Numa primeira volta, o PSB não fez qualquer coligação formal com outros partidos, mas vetou “rigorosamente” qualquer tipo de apoio à candidatura de Jair Bolsonaro, vista como uma “ameaça à democracia e aos direitos humanos”.

Quanto aos candidatos do PSB aos governos estaduais que estão na segunda volta — como Rodrigo Rollemberg, no Distrito Federal, e Márcio França, em São Paulo, — o partido dá liberdade para que sejam independentes e decidam livremente o que devem fazer. “Temos confiança absoluta tanto no Márcio França como no Rollemberg”, acrescentou Siqueira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também esta terça-feira, o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), o Partido Novo e o PP informaram que não vão apoiar nenhum candidato na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras, que serão decididas no dia 28 de outubro entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad.

Haddad não fala em Lula, Bolsonaro defende a Constituição. Mensagens, verdades e mentiras da primeira entrevista da 2ª volta