Rádio Observador

Nigéria

Centenas de crianças-soldado libertadas do grupo Boko Haram na Nigéria

1.286

Um grupo de segurança local da Nigéria libertou, esta sexta-feira, 833 crianças recrutadas pelo grupo jihadista Boko Haram para as usar em conflitos armados, anunciou o UNICEF.

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um grupo de segurança local da Nigéria, com apoio governamental, libertou esta sexta-feira 833 crianças recrutadas pelo grupo jihadista Boko Haram para integrarem o braço armado da organização, anunciou esta sexta-feira o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A Civilian Joint Task Force (Força Civil Conjunta, CJTF na sigla em inglês) em Maiduguri, no nordeste do país, libertaram os menores cumprindo com o compromisso de prevenir o uso de crianças em conflitos armados.

“É uma etapa importante na luta contra o recrutamento e utilização de crianças, mas muitas outras continuam a integrar as fileiras de outros grupos armados, seja em combate ou em apoio”, afirmou Pernille Ironside, representante adjunta da Unicef na Nigéria. “Apelamos a todas as partes que cessem o recrutamento de crianças e que as deixem ser crianças”, pediu Ironside.

Em setembro de 2017, a CJTF comprometeu-se junto das Nações Unidas a não recrutar ou utilizar crianças e a libertar qualquer menor que trabalhasse sob as suas ordens, tendo sido esta a primeira ação formal de libertação de crianças pela força.

A CJTF foi formada em 2013 para combater na luta antiterrorista no nordeste da Nigéria e proteger as comunidades locais dos ataques do Boko Haram.

Até ao momento, a Unicef identificou um total de 1.469 crianças (1.175 rapazes e 294 raparigas) associados à CJTF em Maiduguri. Desde o ano passado, a Unicef diz ter acompanhado a reintegração de 8.700 crianças que pertenciam a diferentes grupos armados na Nigéria.

O Boko Haram é responsável pela morte de, pelo menos, 20.000 pessoas e mais de 2,6 milhões de deslocados desde 2009. As crianças foram particularmente afetadas pelo conflito, durante o qual aumentaram os sequestros e o recrutamento forçado.

Além disso, também os ataques contra escolas registaram um aumento, visto serem consideradas um símbolo da educação ocidental, à qual os jihadistas são avessos.

Segundo a ONU, pelo menos 3.900 crianças morreram e 7.300 ficaram feridas no nordeste da Nigéria entre janeiro de 2013 e dezembro de 2016.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)