Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

O partido de extrema-direita Alternative für Deutschland (AfD), o maior partido da oposição na Alemanha, criou um portal na Internet onde as crianças podem informar o partido se algum dos seus professores criticar o partido durante as aulas, o que implica revelar a identidade do professor em causa. O portal chama-se “Neutral School” (está nesta ligação) e foi criado por um partido que se queixa frequentemente de ser prejudicado por “preconceitos” por parte da comunicação social e de outras áreas da sociedade, como o sistema de ensino. Para já, o portal está disponível em Hamburgo e no estado de Baden-Württemberg — mas o plano é expandi-lo para mais regiões nos próximos tempos.

O AfD entrou no parlamento nas eleições federais do ano passado, muito graças à sua agenda anti-imigração e anti-resgates financeiros [aos outros países europeus], e tornou-se o principal partido da oposição à coligação liderada por Angela Merkel. No passado recente, tem defendido que é necessária uma “limpeza” no sistema cultural e educacional na Alemanha, livrando-o do que considera ser uma tendência intrínseca para a esquerda política.

Um deputado do AfD citado pelo Financial Times, Stefan Räpple, garantiu que o partido recebeu “provas irrefutáveis de que decorre um incitamento contra o AfD nas salas de aula” por toda a Alemanha. Foi este mesmo deputado que explicou que as denúncias nunca poderão ser anónimas nem deixar de referir o professor em causa — e têm de ser acompanhadas de provas concretas, como testes escritos, por exemplo, onde o AfD apareça retratado de uma forma negativa.

A proposta está a enfrentar muitas críticas vindas de vários quadrantes da sociedade alemã, desde os outros partidos do parlamento até associações ligadas ao ensino. Para Helmut Holter, líder de um grupo de governantes na área do ensino, este portal na Internet é “inaceitável” porque transforma “crianças em denunciadores”, fazendo lembrar “o período mais negro da História alemã, entre 1933 e 1945”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR