Rádio Observador

Eletricidade

Deputado do PS indicado para a ERSE. “Não admito receber nenhuma orientação do Governo”

586

Ministro do Ambiente confirmou escolha do deputado do PS para regulador da energia, apesar de dúvidas levantada por CDS. Carlos Pereira garante: "Não admito receber nenhuma orientação do Governo".

FocusCelebration/Global Imagens

O Governo reiterou à comissão parlamentar de economia a intenção de nomear Carlos Pereira para a administração da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos). A resposta foi dada pelo ministro do Ambiente, João Matos Fernandes em resposta ao CDS e na sequência da remodelação governamental.

Na audição desta quarta-feira na comissão parlamentar de economia e obras públicas, o deputado socialista cuja indicação para o regulador da energia está a levantar polémica, deixou uma garantia: “A ERSE não tem de receber orientações . Não admito receber nenhuma orientação do Governo”. E reconheceu que existe um operador (cujo nome não identifica) que ainda tem um grande poder de mercado

No arranque da audição, Pedro Mota Soares do CDS alertou para a existência de um “problema sério de delegação de competências”, causado pela transição da tutela do regulador da energia, do Ministério da Economia para o Ministério do Ambiente e Transição Energética. Para o deputado centrista, o importante é perceber juridicamente se existe uma interrupção de um ato administrativo que afeta a competência do ministro para nomear um administrador. A perda de competências por parte de um órgão afeta a competência a título administrativo . “Devemos refletir profundamente sobre o tema”.

Mota Soares alertou para a pressa em fazer uma nomeação que tem sido polémica pela escolha do deputado do PS, e não só pela ligação partidária, mas também pelas competências específicas na área da energia. O nome de Carlos Pereira foi defendido pelo ex-ministro da Economia, Caldeira Cabral, e pelo ex-secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, na sexta-feira passada, dois dias antes de serem afastados do Governo pela remodelação.

A pasta da energia, bem como a tutela do regulador, passaram para o Ministério do Ambiente, responsabilidades que serão assumidas por João Galamba, o novo secretário de Estado que toma posse esta quarta-feira.

Paulo Rios do PSD concorda com a dúvida levantada pelo CDS e lembra os interesses poderosos que envolvem a atividade da ERSE e que podem usar qualquer falha para questionar decisões do regulador. Para Hélder Amaral, presidente da comissão parlamentar e também deputado do CDS, a questão não é matéria para a comissão parlamentar, mas sim para o Governo e diz que a competência do Parlamento neste caso é a de realizar a audição pedida e fazer a respetiva avaliação.

PS, Bloco e PCP concordam, A nomeação é feita pelo Governo e não pelo Parlamento e a audição de Carlos Santos Pereira começa, mas com duas perguntas inesperadas da parte de Emídio Guerreiro do PSD.

Qual é a diferença entre o megawatt térmico e o megawatt elétrico?

“Sabe qual é a diferença entre a potência e a energia? E entre o megawatt térmico e o megawatt elétrico?” As perguntas ficam sem resposta. “Iniciei a minha intervenção com seriedade e grande expetativa sobre as perguntas que devem colocar”. Para Carlos Pereira, estas não são as questões fundamentais para as funções de uma entidade reguladora que tem de perceber como funciona o mercado regulado. O deputado do PS, Luís Testa, diz que a pergunta é inédita e que é a primeira vez que são feitas questões técnicas que não têm que ver com as funções que irá desempenhar enquanto regulador.

Incompatibilidade (por ser deputado e estar na comissão de inquérito às rendas da energia), independência, isenção e capacidade técnica. Estas são as matérias que, no entender do CDS, levantam dúvidas na escolha de Carlos Pereira para a administração da ERSE. Pedro Mota Soares colocou quatro questões relacionadas com essas dúvidas.

  • O que faria se recebesse uma ordem das Finanças para cativar despesa? Cumpria a lei (neste caso cumpria a cativação). E perante a insistência de Pedro Mota Soares, Carlos Pereira, sublinha que só pode haver uma forma de cumprir a lei.
  • Que tipo de orientações admite receber do Governo? “A ERSE não tem de receber orientações . Não admito receber nenhuma orientação do Governo”, afirmou, remetendo para a lei quadro dos reguladores e da própria ERSE que não permite tal interferência, em nome da independência dos reguladores. O deputado socialista fez mais tarde a ressalva de que esta resposta não se referia a orientações do Governo estabelecidas em lei e em outros instrumentos legais.
  • Há excesso de carga fiscal sobre os combustíveis, setor que a ERSE vai regulador? Carlos Pereira considera que não deve dar opinião sobre o tema na situação que está indigitado para o regulador.
  • Fez parte de um grupo de trabalho que defendeu uma taxa sobre as renováveis (no ano passado com o Bloco de Esquerda). “Os apoios às renováveis são uma matéria de política económica”.

Já antes em resposta ao deputado do Bloco de Esquerda, Heitor de Sousa, o deputado que está na comissão de inquérito às rendas da eletricidade, tinha afirmado que as ditas rendas excessivas são uma consequência de decisões tomadas pelo poder político e que ao regulador cabe acompanhar, avaliar os custos e eventualmente propor uma alteração.

Sobre os efeitos da tempestade Leslie no fornecimento de eletricidade e milhares de consumidores e o seu restabelecimento, Carlos Pereira sublinha que cabe à ERSE avaliar se os regulamentos sobre o serviço foram cumpridos e, se não, usar o poder sancionatório que passou a ter desde 2013.

Na resposta a Bruno Dias do PCP, Carlos Pereira admitiu que ainda há uma concentração grande num operador no mercado — sem citar a EDP — e  que isso tem efeitos nos preços. Sobre a possibilidade, aberta por um decreto que entrou em vigor este ano, dos consumidores regressarem às tarifas reguladas, defendeu que o regulador “deve acompanhar com muita atenção e preocupação” o tema.

O que é essencial é perceber se o principal objetivo da liberalização — mais concorrência e preços mais baixos — está a ser concretizado”.

Para o deputado comunista, esse resultado não está a acontecer. A ERSE deve estar atenta, mas o deputado socialista lembra que uma parte importante do preço não e controlada pelo regulador, depende dos preços do mercado grossista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)