A embaixada do Equador em Londres, onde Julian Assange está asilado desde 2012 para evitar a extradição, entregou ao fundador do Wikileaks um memorando no qual lhe pede que tome melhor conta do seu gato e que limpe a casa de banho, noticia a BBC. No documento em espanhol entregue este mês a Assange, a embaixada avisa-o: ou trata melhor do gato ou o animal poderá ser confiscado e entregue a um abrigo.

Também o seu “bem-estar, comida e higiene” terão de passar a fazer parte das preocupações de Julian Assange, afirma o memorando da embaixada. Além da lista de normas que Assange tem de seguir enquanto reside na embaixada com o seu gato, o documento inclui ainda a referência ao possível restabelecimento da ligação à Internet, que lhe foi cortada em março deste ano.

O gato de Assange foi oferecido ao fundador do Wikileaks pelos seus filhos e tem uma conta própria no Twitter: EmbassyCat.

Recorde-se que o novo presidente do Equador, Lenín Moreno, eleito em maio de 2017, tem classificado o asilo de Assange na embaixada londrina como “uma pedra no sapato” que tem de ser resolvida em breve.