Sistema Solar

Como as criações de quatro portugueses vão a Mercúrio saber mais sobre… a Terra

Dois dos instrumentos que vão para Mercúrio descobrir mais sobre o Sistema Solar foram desenvolvidos por portugueses. BepiColombo é das missões mais ambiciosas do momento. Vai ser lançada no sábado.

ESA/Jaxa

Vai ser lançada na madrugada deste sábado uma missão espacial para estudar um dos astros menos explorados do Sistema Solar — Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol. BepiColombo é considerado “um dos projetos espaciais mais ambiciosos dos últimos tempos” e resulta de um esforço conjunto entre a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA). Mas dois dos instrumentos que compõem o veículo espacial têm cunho português: são da responsabilidade da Active Space Technologies, uma empresa sediada em Coimbra.

A missão BepiColombo já está dentro do foguetão Ariane 5, na base de lançamentos na Guiana Francesa, pronta a ir para o espaço esta madrugada. Créditos: ESA/ Stephane Corvaja

Em conversa com o Observador, Ricardo Patrício, engenheiro responsável pelo departamento de desenvolvimento de negócios da empresa, explicou que a Active Space Technologies contribuiu para a construção destes dois instrumentos. Um deles é a sonda Mercury Planetary Orbiter (MPO). Para essa peça os portugueses construíram um braço de suporte e de orientação da antena que faz a comunicação entre o veículo espacial e a Terra. O outro instrumento é a sonda Mercury Magnetospheric Orbiter (MMO) e, nessa peça, a Active Space Technologies foi responsável por desenhar, fabricar, montar e integrar um instrumento ótico, a que os cientistas chamam espectómetro, que servirá para medir os níveis de sódio na atmosfera de Mercúrio.

O momento em que o Mercury Planetary Orbiter (MPO), outro elemento com contribuição portuguesa, chegou à Guiana Francesa. Créditos: ESA/CNES/Arianespace

A sonda MPO foi construída para o lado europeu do veículo espacial, enquanto a sonda MMO foi concebida para o lado japonês da máquina. É nesta última que está o maior investimento da empresa e também a maior parte da inovação: “É no espectrómetro que está espelhada a maior relevância científica da nossa contribuição. Essa vai ser a peça que vai analisar as transformações da atmosfera de Mercúrio. Os dados que forem recolhidos vão depois ser estudados à luz de um ramo científico chamado planetologia comparativa para podermos tirar conclusões sobre a evolução da atmosfera da própria Terra”, explicou Ricardo Patrício ao Observador.

A sonda Mercury Magnestopheric Orbiter (MMO), uma das peças com ADN português, dentro da proteção solar. Créditos: ESA/ M. Pedoussaut

A oportunidade de participar neste projeto surgiu por causa de uma ligação que a Active Space Technologies já tinha a um cliente inglês na área da engenharia aeroespacial: “Esse nosso cliente tem uma tecnologia muito usada nestes espectrómetros e já nos tinha contratado para fazer parte de uma série de projetos no setor espacial. Por isso acabámos por ser selecionados como consórcio para o projeto”, explicou o engenheiro. Tudo isso aconteceu em 2006. Ao longo dos cinco anos seguintes, uma equipa de quatro portugueses trabalhou diretamente com o cliente inglês, com engenheiros russos e com japoneses. O produto final vai para o espaço às 2h45 de sábado a partir da base de lançamentos em Kourou, Guiana Francesa.

Veja nesta animação da Agência Espacial Europeia como é o veículo espacial vai ser enviado para o espaço a bordo de um foguetão Ariane 5.

Mas a Active Space Technologies já está envolvida noutros projetos ambiciosos. Entre eles estão a missão Solar Orbiter da ESA, que vai estudar a heliosfera do Sol a partir de 2020; a missão EUCLID, que vai explorar a matéria negra; a missão JUICE, que vai farejar Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar; e a missão Plato, que vai em busca de exoplanetas. Além disso, a Active Space Technologies também construiu um rover e um satélite para a ESA para explorarem Marte no âmbito da missão ExoMars; e instrumentos para a missão InSight, que também está em Marte para perceber a evolução dos planetas rochosos — como a Terra.

A tecnologia desenvolvida por esta empresa é tanta que Ricardo Patrício concorda que a existência de uma agência espacial portuguesa — um plano que já está a desenrolar-se — ajudaria a levá-la mais além: “O país precisa de uma estrutura e de uma organização que apoie as interações com a ESA e outroa atores internacionais mais institucionalizados. Temos tido pessoas com muito valor, mas têm pouco alcance. Os portugueses não gostam da palavra lobby, mas ela é real e é necessária para que a nossa tecnologia possa ter visibilidade”, afirmou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)