Serviço Nacional de Saúde

Centro de Diálise da Benedita parado por falta de convenção com o SNS

646

Um centro de diálise na Benedita está desde o início de junho com as máquinas ligadas e pronto a funcionar, mas por falta de uma convenção com o Serviço Nacional de Saúde não pode tratar os doentes.

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um centro de diálise na Benedita está desde o início de junho com as máquinas ligadas e pronto a funcionar, mas por falta de uma convenção com o Serviço Nacional de Saúde (SNS) não pode tratar os doentes.

O Centro Medico de Diálise da Benedita, no concelho de Alcobaça, “está licenciado pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS) e pronto a funcionar”, mas, contou à agência Lusa o administrador, António Henriques, “falta uma convenção com o Serviço Nacional de Saúde (SNS) para poder começar a tratar doentes com insuficiência renal”.

O Centro, inaugurado no dia 16 de junho, é um projeto do Grupo H Saúde que há dez anos identificou “a necessidade de um serviço destes na região”, com base num estudo que permitiu concluir que, “num raio de 10 quilómetros em volta da Benedita, 77 pessoas faziam hemodiálise”.

Números que levaram a administração do grupo (que detém clínicas na Benedita e em Leiria) a “desencadear o processo para abrir uma unidade de diálise” com capacidade para tratar 150 doentes com insuficiência renal.

Em janeiro deste ano, a empresa efetuou “um pedido de convenção ao Ministério da Saúde para que a diálise seja comparticipada a 100% pelo SNS”, mas, segundo António Henriques, a mesma “foi recusada”, numa demonstração de “dualidade de critérios”.

De acordo com o administrador, “houve outras unidades do país que assinaram a convenção, mas a clínica da Benedita ficou de fora, obrigando os doentes desta zona a deslocarem-se dezenas de quilómetros para efetuarem os tratamentos em Santarém, Leiria ou nas Gaeiras [no concelho de Óbidos]”.

Com a agravante, acrescentou António Henriques, de “estes centros estarem sobrelotados” e de a deslocação dos doentes ser “bastante mais onerosa para o SNS e mais desgastante para as pessoas sujeitas ao tratamento”.

A situação deu já origem a uma petição online, subscrita até hoje por 554 pessoas defendendo a atribuição da convenção ao Centro Médico de Diálise da Benedita.

A Unidade, pode ler-se na petição, “encontra-se em plenas condições para tratar os doentes em diálise das freguesias limítrofes” onde “existem mais de 100 utentes em diálise”.

Segundo a petição, “muitos desses doentes percorrem mais de 300 quilómetros por semana, em estradas de grande movimento rodoviário, sujeitos a paragens constantes” e a percursos com uma duração não inferior a três horas [ida e regresso]”.

Atendendo à “perda de qualidade de vida e os riscos aos quais os doentes são sujeitos”, bem como aos “custos elevados em transportes suportados pelo Ministério da Saúde” os subscritores da petição consideram “incompreensível a gestão clínica por parte das Administrações Regionais da Saúde envolvidas” e reclamam a “rápida atribuição da convenção ao Centro Médico de Diálise da Benedita”.

Além da petição na internet estão a ser recolhidas assinaturas em papel “no sentido de levar esta questão a ser discutida na Assembleia da República, caso a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) não altere a sua posição”, revelou António Henriques.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

A “familiar de referência” /premium

Maria João Avillez
205

A altíssima competência médica de Santa Maria releva também do milagre da dedicação. Deve haver poucos sítios no mundo onde se possa entregar assim um coração.

Serviço Nacional de Saúde

Perdão e jejum Pascal

Miguel Guimarães
5.688

A entrevista da ministra da Saúde à TVI, sem contraditório, foi mais um triste episódio de um mandato curto mas que está já repleto de momentos que em nada servem os doentes, os profissionais e o SNS

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)