Rádio Observador

Ministério Da Justiça

Orçamento para funcionamento da PJ e da PGR sofre primeiro corte desde início da legislatura

526

Verba para funcionamento da Polícia Judiciária e da PGR tinham subido todo os anos com o atual governo. Em 2019 vão descer pela primeira vez em quatro anos.

MARIO CRUZ/LUSA

A Polícia Judiciária e a Procuradoria-Geral da República vão sofrer em 2019 um corte no orçamento destinado ao seu funcionamento, o que acontece pela primeira vez na atual legislatura, indica a nota explicativa da proposta do Orçamento do Estado para a Justiça. Esta nota foi enviada ao parlamento em antecipação à audição de quarta-feira da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, no parlamento, onde vai explicar aos deputados os principais números e medidas do Orçamento para a sua área.

Desde a entrada em funções do atual governo PS (apoiado pelo Bloco de Esquerda e o PCP), em 2016, que o orçamento de funcionamento da PJ e da PGR vinha sempre em crescendo.

Para o próximo ano, o orçamento global do Ministério da Justiça atinge os 1,468 mil milhões de euros, distribuídos entre o funcionamento de serviços e organismos, no total de 1,39 mil milhões de euros, que representa 95,1% das verbas, e o investimento com 72,6 milhões de euros (4,9%).

Para o seu funcionamento, a Polícia Judiciária terá ao seu dispor em 2019 pouco mais de 113 milhões de euros, menos 1,66 milhões de euros do que os 114,7 milhões disponíveis em 2018. Trata-se de uma diminuição de 1,4%.

No OE para 2018, o dinheiro para funcionamento da PJ tinha crescido 1,9%. No ano anterior, 2017, o aumento nesta rubrica tinha sido de 3,4% e no de 2016 tinha sido de 13,4%. Em termos absolutos o orçamento da PJ para o seu funcionamento passou de 96 milhões em 2015, para 108,9 milhões em 2016, 112,6 em 2017, 114,78 em 2018 e, finalmente, baixará para 113,1 em 2019.

O mesmo acontece com o orçamentado para o funcionamento da PGR. Em 2019, a verba para funcionamento vai sofrer uma ligeira diminuição, passando de 17,75 milhões de euros para 17,66 milhões, menos 0,5%. No OE para 2016 o aumento tinha sido de 24,3%, enquanto que em 2017 foi de 5% e em 2018 5,1%. Ou seja, passou de 12,9 milhões de euros em 2015 para 16,08 milhões em 2016, 16,88 milhões em 2017 e 17,75 milhões de euros este ano. Em 2019 esta verba inscrita cai pela primeira vez em quatro anos, para 17,66 milhões de euros.

A PJ terá ao seu dispor 102,8 milhões de euros para despesas com pessoal, a PGR irá despender cerca de 14 milhões de euros e os tribunais 63,5 milhões. A nota explicativa dá conta de que a prevenção e combate à criminalidade “constituem uma clara opção do Governo para a legislatura”.

“A criminalidade, principalmente a organizada, constitui uma ameaça grave para os valores da democracia, o que requer a capacitação adequada do Ministério Público, da Polícia Judiciária e dos demais órgãos de polícia criminal, de modo a garantir a efetividade da prevenção e da reação criminal, contribuindo para a paz e a segurança do espaço nacional e europeu”, lê-se no documento.

Entre as medidas previstas pelo Ministério da Justiça destacam-se a implementação das novas orientações de política criminal, aumento dos efetivos afetos à investigação criminal na PJ, reforço dos sistemas e tecnologias de informação e aumento da capacidade para a investigação criminal, designadamente na área do cibercrime e de aquisição da prova digital.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)