O líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, disse este sábado numa entrevista à Sky News que um segundo referendo sobre a saída da União Europeia é uma “opção para o futuro, mas não uma opção para agora”.

Corbyn afirmou que não sabia qual seria a pergunta de um eventual referendo agora e que não sabia como votaria num referendo sobre a saída do Reino Unido da UE se este se realizasse agora. “Não sei como eu votaria, porque não sei quais seriam as opções de resposta nessa altura”, disse.

“É uma opção para o futuro, mas não para agora. Se houvesse um referendo amanhã, seria sobre o quê? Qual seria a pergunta?”, atirou.

Na entrevista à Sky News, o líder dos Trabalhistas admitiu que não leu na totalidade o acordo do ‘Brexit’ alcançado pela primeira-ministra britânica, Theresa May, com a UE. “Li muito” do documento, disse, adiantando que leu “muitos sumários e análises”.

Uma das razões que Corbyn alega para não apoiar o acordo de ‘Brexit’ de Theresa May é de que este é “vago” e não diz o suficiente sobre os direitos dos trabalhadores e as proteções ambientais.

Depois de o Governo britânico ter aprovado na quarta-feira o rascunho de acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia, tendo encontrado com a União Europeia uma solução para evitar o regresso de uma fronteira física entre a Irlanda e a Irlanda do Norte, a liderança da primeira-ministra britânica continua em perigo.

O ponto mais controverso do projeto de acordo diz respeito às disposições para impedir o regresso de uma fronteira física entre a região britânica da Irlanda do Norte e a vizinha República da Irlanda, membro da União Europeia.

Na quinta-feira, o presidente do Conselho Europeu anunciou, em Bruxelas, que prevê convocar uma cimeira extraordinária de líderes da União Europeia a 27 para dia 25 de novembro, para “finalizar e formalizar o acordo de ‘Brexit'” com o Reino Unido.