Segurança

Nunca (mas mesmo nunca) sente uma criança com blusão na cadeirinha

13.098

Com a chuva e o frio chegam os blusões com que protegemos as crianças. Mas quando as sentamos no automóvel com eles vestidos, para os manter quentes, podemos estar a colocar a sua vida em perigo.

Quem inventou e aperfeiçoou os cintos de segurança que equipam os automóveis modernos, bem como as cadeiras específicas para crianças, fê-lo partindo do princípio que iriam ser utilizados com relativamente pouca roupa entre eles e o corpo. Até podem existir duas ou três camadas, mas nada que seja volumoso e que possa criar uma superfície “escorregadia” que impeça o cinto de realizar a sua função: manter o corpo no seu lugar em caso de acidente, sem lhe permitir entrar em contacto com os outros ocupantes ou qualquer parte mais dura do habitáculo.

Os blusões das crianças para o frio e chuva são tradicionalmente fofos, devido à generosa camada de ar e tecido com que envolvem o utilizador para o manter quente. Ora isto é mau em termos de segurança automóvel, criando o equivalente a uma folga excessiva no cinto. Tendo em conta que a cabeça de um bebé é desproporcionadamente maior e mais pesada, quando comparada com os adultos, os blusões de Inverno tornam praticamente impossível apertar o cinto, mesmo os de quatro apoios, a ponto de segurar o corpo correctamente sem lhe aplicar uma pressão excessiva. Em caso de acidente, a criança vai deslizar dentro do blusão – e este dentro do aperto do cinto, especialmente se for do tipo impermeável –, permitindo que ela seja projectada, o que resulta potencialmente em ferimentos graves ou na sua morte.

Mesmo que a criança não chegue a ser projectada, o simples deslizar do corpo sob o cinto de segurança durante um acidente é suficiente para, só por si, provocar ferimentos e, no caso dos bebés de tenra idade, até uma fractura da coluna”, adverte a pediatra Elizabeth Murray,

Mesmo perante um choque menos violento, explica a médica, “a folga excessiva do cinto, permite um aumento da desaceleração a que o corpo está sujeito, aumentando por isso mesmo os danos”. Daí que os técnicos aconselhem a que a folga do cinto em relação ao corpo seja limitada a “um dedo” e sem roupa volumosa vestida. Em caso de frio, é preferível recorrer ao casaco, ou a uma manta, mas por cima do cinto.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Inovação

Transformação: o segredo da inovação /premium

Sebastião Lancastre

As sociedades caminham no sentido de desmaterializar o dinheiro, tornando-o invisível nas nossas vidas. Na Suécia há centenas de lojas que já dizem, à entrada, que não aceitam dinheiro físico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)