Rádio Observador

Black Friday

Black Friday: quando a corrida pelas melhores promoções lança o caos nas lojas

109

A tradição da Black Friday é cumprida praticamente em todos os países. Ao mesmo tempo, milhares de pessoas correm para serem os primeiros a entrar nas lojas e obter as melhores promoções.

Abertura de uma loja em Chicago, nos Estados Unidos, durante a Black Friday

Getty Images

É um cenário que se repete todos os anos quando tem início a Black Friday (e que agora não se dá apenas de quinta para sexta-feira): filas intermináveis, encontrões, quedas, gritos e por vezes até violência. Tudo na luta pelas melhores promoções. Este ano, a situação não foi diferente. De Portugal aos Estados Unidos, foram multidões que aguardaram à porta das lojas para que chegasse a meia-noite, hora em que as portas abrem para as promoções.

Em alguns locais, a calma e a paciência conseguiram dominar. Pelo contrário, em várias lojas houve quem esperasse impaciente e, mal as portas abriam, o caos estava lançado. Quem lá foi ou estava apenas de passagem, aproveitou para filmar a confusão e partilhá-la nas redes sociais. Foi o caso do que aconteceu este ano em várias lojas da Worten espalhadas pelo país, que decidiram abrir entre a 00h e as 2h00 desta quinta-feira. A loja foi à boleia da Black Friday e estendeu a promoção a outros dias da semana.

O Centro Comercial Colombo, em Lisboa, encheu para as promoções:

O mesmo aconteceu em Matosinhos. Num vídeo partilhado pela Worten no Facebook é possível ver o caos quando as portas abrem, a corrida para apanhar os produtos em desconto, chegando mesmo a serem derrubados objetos e decoração da estabelecimento.

De outra perspetiva, pode ver-se a quantidade de pessoas que aguardavam no exterior pela abertura das portas. “Parecem formigas!”, ouve-se comentar no vídeo partilhado.

Em Nova Iorque, nos Estados Unidos, foram milhares de pessoas que aguardaram para entrar na Macy’s. Há quem entre na loucura da Black Friday todos os anos, já quase como uma “tradição”. Os funcionários do estabelecimento são preparados para o cenário.

Em São Paulo, no Brasil, a Black Friday também levou milhares às lojas. Na loja da Nike, onde os produtos estavam com 30% de desconto, esperava-se um cenário de confusão, mas a entrada acabou por ser mais calma.

Noutro local do Brasil, até a confetis e buzinas houve direito durante a contagem decrescente para se iniciar a Black Friday e obter televisões com promoção.

Na África do Sul, uma loja de videojogos foi, literalmente, “invadida” por clientes ansiosos pelas tão desejadas promoções. Enquanto as portas ainda estavam a abrir, já centenas de pessoas corriam em direção ao produto que queriam levar. Com eles levavam também carrinhos de compras, decoração da loja e até pessoas que acabaram por cair a meio da corrida.

Outra loja de jogos na Namíbia também enfrentou o caos. No vídeo partilhado no Twitter é possível ver os próprios funcionários do estabelecimento a tentarem manter as portas fechadas, face à força que os clientes estavam a fazer para entrar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)