Rádio Observador

Orçamento do Estado

FMI espera menos crescimento este ano e défice mais alto em 2019

O abrandamento na economia levou o Fundo a rever em baixa a previsão de crescimento para 2018. Défice do próximo ano deverá ser o dobro do esperado por Mário Centeno, porque o crescimento será menor.

MADE NAGI/EPA

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu esta sexta-feira as suas previsões e espera agora que a economia portuguesa cresça 2,2% este ano, menos uma décima que há um mês e que a previsão do Governo. A maior divergência surge em relação a 2019, quando o Fundo espera que a economia cresça 1,8%, menos quatro décimas a previsão do Governo, e que o défice atinja os 0,4%, o dobro do estimado por Mário Centeno.

Uma equipa do Fundo esteve em Portugal para mais uma revisão pós-programa de assistência, algo que irá acabar depois de Portugal pagar a totalidade do empréstimo ao Fundo, como anunciou António Costa esta quinta-feira no Parlamento. Após a missão, num comunicado enviado às redações, o FMI demonstrou-se ligeiramente mais pessimista nas suas previsões.

Em relação a este ano, o Fundo baixou em uma décima o crescimento económico esperado para a totalidade do ano, isto devido a uma desaceleração já observada no terceiro trimestre deste ano, devido a fatores temporários. O Fundo espera que a economia acelere na parte final do ano e por isso termine perto da estimativa do Governo, que nesta altura é ainda de 2,3%.

Também por isso, a instituição liderada por Christine Lagarde antecipa que a meta do défice de 0,7% estabelecida por Mário Centeno será atingivel.

Já para 2019, o Fundo é mais pessimista que o Governo. No próximo ano, o FMI prevê que a economia cresça apenas 1,8% — o mesmo que já esperava em outubro, mas significativamente abaixo dos 2,2% antecipados pelo Governo. Esta projeção mais pessimista afeta também a previsão feita para o défice no Orçamento do Estado para 2019 aprovada esta quinta-feira no Parlamento.

Segundo o FMI, o défice deverá atingir os 0,4% em 2019, uma redução face ao esperado este ano, mas acima da previsão feita anteriormente (0,3%) e da meta do Governo (0,2%).

O Brexit será um dos principais riscos que podem complicar as contas do Governo no próximo ano. Segundo o FMI, “Portugal sentiria diretamente o impacto negativo de menos crescimento na zona euro e a contração do comércio internacional que se segue ao aumento do protecionismo”.

O Fundo deixa ainda um alerta às autoridades portuguesas, a um ano das eleições: “há o risco de o Governo poder adotar medidas mais fracas que podem por em causa a confiança dos investidores e o ambiente de negócios, e possivelmente aumentar a rigidez do orçamento e reduzir a qualidade da despesa pública”.

Pagamento antecipado é vantajoso para Portugal

Depois de o primeiro-ministro ter anunciado no Parlamento que o Portugal vai pagar até ao final do ano o remanescente do empréstimo do FMI a Portugal no âmbito do resgate pedido em 2011, o FMI diz que a decisão é um sinal positivo que Portugal dá aos investidores e aos mercados.

Para além da questão de imagem, o fundo diz que o pagamento antecipado é vantajoso financeiramente para os cofres do país porque melhora a estrutura das maturidades da dívida portuguesa, e geram poupanças diretas, uma vez que as taxas de juro que o FMI cobra pelo seu empréstimo são superiores às praticadas no mercado.

O FMI sublinha que o Estado português tem nos seus cofres uma almofada financeira confortável e que assim que o pagamento for efetivado, Portugal vai deixar de estar sujeito ao regime de supervisão pós-programa. Assim, o FMI vai passar a fazer uma avaliação da economia portuguesa apenas uma vez por ano, a que já faz ao abrigo do Artigo IV do Fundo — que realiza a todos os países que são membros do Fundo –, tendo ainda mais uma visita de uma missão técnica que será feita de forma intercalar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)