O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou esta sexta-feira que a a economia portuguesa cresceu 0,3% no terceiro trimestre, depois dos 0,6% do segundo trimestre. Em termos homólogos, economia cresceu 2,1%, o ritmo mais lento desde a primeira metade de 2016. Abrandamento das exportações ditou o abrandamento. Consumo privado está a crescer, mas abaixo do que se verifica há um ano.

De acordo com as contas nacionais trimestrais divulgadas esta sexta-feira pelo INE, que contêm a segunda estimativa para o PIB do terceiro trimestre, a economia abrandou significativamente face ao segundo trimestre do ano, crescendo apenas metade dos 0,6% que havia registado entre abril e junho.

A razão para este abrandamento estará nas exportações, que passaram a dar um contributo negativo para o crescimento da economia, mesmo com um abrandamento significativo também das importações. A aceleração do ritmo de crescimento do consumo privado do segundo trimestre para o terceiro trimestre não chegou para impedir o abrandamento do PIB, até porque mesmo com esse crescimento mais rápido de um trimestre para o outro o consumo privado está abaixo daquilo que se verificava há um ano.

O investimento manteve o mesmo ritmo de crescimento em comparação com o mesmo trimestre de 2017, mas o consumo público está a crescer ligeiramente menos, 0,7% em vez dos 0,9% de há um ano.