Economia

INE confirma abrandamento da economia no terceiro trimestre

INE confirma crescimento de 0,3% no terceiro trimestre do ano face ao trimestre anterior. Em comparação com o mesmo período de 2017, economia cresceu 2,1%, o ritmo mais lento desde o início de 2016.

FOCKE STRANGMANN/EPA

Autor
  • Nuno André Martins

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou esta sexta-feira que a a economia portuguesa cresceu 0,3% no terceiro trimestre, depois dos 0,6% do segundo trimestre. Em termos homólogos, economia cresceu 2,1%, o ritmo mais lento desde a primeira metade de 2016. Abrandamento das exportações ditou o abrandamento. Consumo privado está a crescer, mas abaixo do que se verifica há um ano.

De acordo com as contas nacionais trimestrais divulgadas esta sexta-feira pelo INE, que contêm a segunda estimativa para o PIB do terceiro trimestre, a economia abrandou significativamente face ao segundo trimestre do ano, crescendo apenas metade dos 0,6% que havia registado entre abril e junho.

A razão para este abrandamento estará nas exportações, que passaram a dar um contributo negativo para o crescimento da economia, mesmo com um abrandamento significativo também das importações. A aceleração do ritmo de crescimento do consumo privado do segundo trimestre para o terceiro trimestre não chegou para impedir o abrandamento do PIB, até porque mesmo com esse crescimento mais rápido de um trimestre para o outro o consumo privado está abaixo daquilo que se verificava há um ano.

O investimento manteve o mesmo ritmo de crescimento em comparação com o mesmo trimestre de 2017, mas o consumo público está a crescer ligeiramente menos, 0,7% em vez dos 0,9% de há um ano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

E Berardo deixou-os nús /premium

Helena Matos
1.235

A fúria dos seus parceiros nasce não do que Berardo fez mas sim daquilo que expôs sobre eles e como exercem o poder. Do BCP ao CCB, Berardo, o capitalista de Estado, é a outra face do socialismo.

Filhos

Guarda conjunta em residência alternada /premium

Eduardo Sá

A recomendação de ser “regra” o regime de guarda conjunta com residência alternada, se mal gerida, pode trazer a muitas crianças uma regulação da responsabilidade parental mais populista do que justa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)