Rádio Observador

Estação Espacial Internacional

O momento em que a tripulação do Soyuz atracou na Estação Espacial, dois meses após acidente

Dois meses depois do acidente num Soyuz, russa Roscosmos volta às missões tripuladas. Três astronautas chegaram à Estação Espacial enquanto sobrevoavam o Oceano Atlântico. Veja o momento.

NASA Live Coverage

Dois meses depois de um acidente a bordo de um foguetão Soyuz ter obrigado a agência espacial Roscosmos a suspender todos os voos tripulados para o espaço, uma tripulação de três astronautas chegou à Estação Espacial Internacional enquanto sobrevoava o Oceano Atlântico. Anne McClain (Estados Unidos), David Saint-Jacquesof (Canadá) e Oleg Kononenkoof (Rússia) partiram para o espaço esta segunda-feira às 11h31 de Lisboa a partir do Cosmódromo de Baikonour, no Cazaquistão. E chegaram à Estação Espacial às 17h33, três minutos antes do previsto. Reveja o momento aqui em baixo.

Esta é a primeira missão tripulada a ser enviada para a Estação Espacial Internacional desde o acidente a bordo de um Soyuz, em outubro. E a única até agora desde que a Roscosmos anunciou ter descoberto a origem do problema e anunciado estar preparada para regressar ao espaço.

A 11 de outubro, o astronauta Nick Hague da NASA e o cosmonauta Alexey Ovchinin da Roscosmos regressaram à Terra depois de o foguetão russo Soyuz que os levaria até à Estação Espacial Internacional ter acusado erros de funcionamento minutos depois da descolagem em direção ao espaço. A NASA, agência espacial norte-americana, disse que os astronautas detetaram problemas no motor da aeronave, que fez um regresso de emergência à Terra em modo balístico. Os astronautas voltaram em segurança.

No momento em que o erro foi detetado foi possível ouvir um sinal de alerta e a mensagem: “Inaudível. Há uma emergência. Há uma falha no impulsionador. Estamos em ausência de peso”. Às 10h20, os astronautas aterraram em segurança no Cazaquistão e foram acudidos pelas equipas de busca e salvamento. A agência espacial norte-americana disse que os dois astronautas estavam “em boas condições” e que mantiveram sempre contacto com os engenheiros.

O foguetão Soyuz, o único capaz de levar astronautas até à Estação Espacial Internacional, tinha levantado voo às 09h40 de Lisboa a partir do Cosmódromo de Baikonur. Quatro minutos mais tarde, a NASA anunciava no Twitter que tinha havido “um problema com o foguete de lançamento” e que “as equipas [norte-americanas] estão em comunicações com os parceiros russos para obter mais informações sobre o problema com o impulsionador do lançamento”.

Logo no próprio dia, o governo russo suspendeu todos os voos tripulados para o espaço da agência espacial Roscosmos. A decisão foi anunciada por Yuri Borisov, vice-primeiro ministro da Rússia, depois de o diretor-geral da Roscosmos ter oficializado que ia abrir uma investigação ao que aconteceu à missão espacial abortada esta manhã. Esta tinha sido a primeira vez que uma missão tripulada não conseguia chegar à Estação Espacial Internacional. Em toda a história das missões tripuladas do programa espacial russo só foram registadas duas falhas: a de outubro e outra em setembro de 1983, quando um foguete Soyuz explodiu na plataforma de lançamento com dois cosmonautas a bordo. Os dois cosmonautas, Vladimir Titov e Gennady Strekalov, conseguiram ejetar-se e sobreviveram sem ferimentos.

A 1 de novembro, a Roscosmos oficializou que ia recomeçar os voos tripulados para o espaço a bordo do Soyuz. O erro, dizia o relatório da agência espacial, tinha sido causado por um problema num sensor que tinha sido danificado durante a montagem do foguetão. O sensor deformado fez com que a tampa da tubeira — uma peça do motor — não abrisse, resultando na separação anormal de um impulsionador. O impulsionador atingiu o tanque de combustível no estágio central do foguetão, fazendo com que ele descomprimisse. Foi assim que a nave perde controlo sobre a altitude.

O regresso da Roscosmos às missões tripuladas é motivo de celebração para todas as agências espaciais com participação do programa da Estação Espacial. A Agência Espacial Europeia (ESA) e (NASA) admitiram ao Observador que os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional podiam ter de ficar no espaço mais do que os típicos seis meses para evitar que o laboratório fique desabitado enquanto durar a investigação da Roscosmos.

Com os foguetões Soyuz reabilitados, isso não deve ser preciso: Serena Auñón-Chancellor, Alexander Gerst e Sergey Prokopyev devem poder regressar a Terra em meados de dezembro, tal como estava inicialmente agendado. Essas missões podiam ser alargadas, mas não muito mais: os três astronautas não podiam ficar no espaço para lá de 4 de janeiro de 2019, porque essa é a data de validade da única cápsula atracada na Estação que os pode trazer de regresso à Terra. Se a investigação da Roscosmos durasse para lá dessa data, a Estação Espacial Internacional pode ficar vazia pela primeira vez desde novembro de 2000.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)