Rádio Observador

Bares

Vai um galão e um set de música eletrónica? O Regabofe Matinal é a festa que vem antes do trabalho

223

Começa às sete e acaba às dez... da manhã. O Regabofe Matinal é a festa que convida a um pezinho de dança antes de ir trabalhar. Pode não haver álcool, mas garantimos que os galões saem quentinhos.

“Bom dia” será, muito provavelmente, a saudação mais estranha de se ouvir à chegada a uma festa. Não que as sessões matinais de música e dança sejam uma prática inédita, mas a verdade é que, num after convencional, este tipo de cumprimento é despromovido em favor de outro tipo de sensações. É um “bom dia” enérgico, aquele que ouvimos quando entramos no Regabofe Matinal. À segunda festa (a primeira foi no dia 7 de novembro e o objetivo, para já, é repetir a dose todas as primeiras quartas-feiras de cada mês), o Juicy Lisboa esteve à pinha, cheio de gente aparentemente bem dormida, arranjada, maquilhada, perfumada e, em alguns casos, engravatada. Daqui, seguem para o trabalho. Afinal, ainda só eram oito e meia da manhã, a playlist ainda ia a meio e esta cafetaria saudável, localizada em plena Baixa Pombalina, ainda estava capaz de segurar o ambiente de danceteria até às dez.

À entrada está Joana Sousa Lara, rapariga versada na organização de eventos, claramente em plena viragem de carreira, rumo a formatos bem mais inusitados. Ao mesmo tempo que recebe as visitas com o tal “bom dia”, capaz de matar de susto todos os que ali chegam pela via do sonambulismo, controla as entradas, recebe o dinheiro (a entrada custa 5 euros) e carimba as mãos dos convivas, só para facilitar as entradas e saídas, como em qualquer festa ou arraial com um nível de organização médio. Ao comando da pista está Miguel Pires, a segunda peça para explicar a origem de um evento que tem tanto de bizarro como de estranhamente lógico. Foi dele a ideia. Rapaz viajado, morou em Varsóvia, na Polónia, durante cinco anos e foi lá que experimentou sair à noite em plena luz do dia (uma boa forma de resumir a sensação de ir a uma festa destas).

Joana Sousa Lara e Miguel Pires, o casal que trouxe a moda das daybreak parties para Lisboa © JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O conceito ficou-lhe na cabeça. Um pouco por toda a Europa, as daybreak parties são uma realidade. Nos Estados Unidos, nem se fala. O que Miguel e Joana fizeram foi importar o modelo para Lisboa, adaptando-o a um momento do dia que encaixasse na agenda da classe trabalhadora, o pequeno almoço. Não admira, por isso, que quem estava atrás do balcão não tivesse mãos a medir. Os cinco euros de entrada dão direito a uma bebida quente — um café, um latte (assim de repente, uma versão internacional do galão nacional) ou um cappuccino –, tudo o resto é pago à parte. Saíram tostas, wraps, os smoothies da moda,muffins e toda a sorte de refeições ligeiras para começar o dia e, já agora, para dar à pista o que queimar.

Sim, a seleção eclética de Miguel fez uns quantos desbundarem no meio do bar de sumos saudáveis, que, justiça seja feita, adaptou-se muito bem aos moldes da festa. Luz fraca e colorida, som quase no máximo e empregados com amplitude de movimentos — o Juicy nem parecia o mesmo. Ao fundo do bar, mesmo em cima da coluna, os groupies. Ao contrário da primeira festa, esta não precisou dos amigos de Miguel e Joana para encher o recinto. Apareceu gente vinda sabe-se lá de onde, trazida pelo passa palavra e pelo evento criado no Facebook. Claramente, a festa também preencheu a sua quota de turistas. De passagem pela Rua de São Julião, suspeitaram da música e do ajuntamento.

Em vez de gins tónicos, vodkas e whiskey, este regabofe só serve bebidas quentes, sem álcool portanto © JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

“Cheguei, meu povo”, relembrou a música. Antes dessa, o repertório já tinha passado por Spice Girls. Entre vestígios de creme nos lábios, abacate entre os dentes e cinturas gingonas, quem lá estava respondeu com dança, mas nada de muito exuberante, afinal, ainda só eram nove da manhã. Quem pegou ao serviço mais cedo teve de deixar a festa a meio, dando a vez aos menos madrugadores. A curiosidade moveu a maioria. Ainda é cedo para falar em resultados, embora um ou outro frequentador desta festa de galões e música eletrónica (atenção, também houve muito disco ali pelo meio) tenha dito que o boost de energia tem impacto ao longo do dia. Outros, simplesmente, trocaram a habitual ida ao ginásio para estar ali.

Uma coisa é certa: parece que o Regabofe Matinal, além de decidido a baralhar-nos o fuso horário, tem tudo para crescer. Os acotovelamentos foram a prova de que Joana e Miguel podem muito bem adicionar mais datas ao calendário e optar até por espaços maiores. Para já, a festa fica pela Baixa de Lisboa, pelo menos às quartas. O casal já pensa em subir a Avenida da Liberdade e levar o regabofe (festa em que se come e bebe à farta, segundo o dicionário) para o eixo Rato-Marquês, ao mesmo tempo que outros bares e restaurantes já se mostraram disponíveis a receber o pequeno almoço dançante. Eles que subam e os outros que recebam. Apesar das horas e da abstinência, até somos capazes de nos habituar a isso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)