Marcelo Rebelo de Sousa

Eleições legislativas vão ser dia 6 de outubro

1.112

Marcelo Rebelo de Sousa já escolheu a data das eleições do ano que vem: legislativas serão dia 6 de outubro, eleições na Madeira a 22 de setembro. Europeias, já se sabia, são a 26 de maio.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Depois de ouvir os partidos, Marcelo Rebelo de Sousa decidiu o calendário eleitoral do próximo ano: eleições regionais na Madeira a 22 de setembro e eleições legislativas a 6 de outubro. As europeias, já se sabia, serão dia 26 de maio. Trata-se de uma escolha do Presidente da República, tomada depois de ter ouvido todos os partidos com assento parlamentar, sendo que a marcação oficial só acontece depois de o decreto presidencial ser publicado em Diário da República.

Marcelo Rebelo de Sousa deu conta das datas escolhidas através de uma nota publicada esta sexta-feira de manhã no site da presidência:

“Na sequência da audição dos partidos políticos representados na Assembleia da República, o Presidente da República definiu o dia 6 de outubro de 2019 para a realização das Eleições Legislativas.

Depois de ter também ouvido os partidos políticos representados na Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, o Presidente da República escolheu o dia 22 de setembro de 2019 para a realização das Eleições Legislativas Regionais.

Como já se sabe, as Eleições para o Parlamento Europeu terão lugar a 26 de maio de 2019.

Os Decretos presidenciais fixando as datas destas eleições serão publicados oportunamente no ano que vem.”

Depois das audiências com o Presidente da República, que tiveram lugar esta quinta-feira, o PS e o PSD revelaram estar de acordo que a data das eleições legislativas se realizem a 6 de outubro — para que a campanha eleitoral não caia em cima do mês de agosto, mês de férias dos portugueses, e para que depois ainda haja tempo para a aprovação do Orçamento do Estado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
PSD/CDS

Os problemas da Direita: a liderança

Fernando Leal da Costa

O PSD precisa de um líder e não de um patrão. Até pode ser Rui Rio, não digo que não, mas isso obrigava-o a transmitir a ideia de que está confortável e seguro no cargo. Não parece ser o caso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)