Rádio Observador

Eslovénia

Presidente do governo regional da Catalunha sugere guerra para chegar à independência

210

Presidente do Governo autónomo instiga catalães a seguir a via eslovena. Devem estar "dispostos a tudo" para alcançar a independência, defendeu Torra. Críticas não demoraram.

Andreu Dalmau/EPA

Autor
  • Pedro Raínho

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, disse este sábado que os catalães devem seguir o exemplo do processo independência da Eslovénia, que se conseguiu separar da Jugoslávia em 1991 após uma guerra que ao longo de dez dias matou 62 pessoas e fez mais de 300 feridos. As declarações motivaram a condenação por parte de vários responsáveis políticos espanhóis.

Na apresentação do Conselho pela República — um movimento que o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, pretende que venha a tornar-se uma união de forças independentistas —, Torra fez uma declaração inflamada que culminou num apelo à luta pela independência em que os catalães devem estar “dispostos a tudo” para alcançar esse objetivo.

Essa passagem da intervenção de Quim Torra foi partilhada num twitt publicado pelo Governo da Catalunha, e diz o seguinte:

Nós, catalães, perdemos o medo. Não nos causam medo. Não há marcha-atrás no caminho rumo à liberdade. Os eslovenos decidiram seguir em frente, com todas as consequências. Façamos como eles e estejamos dispostos a tudo para viver livres.”

As palavras de Torra, em Bruxelas — proferidas numa sala onde, além de Puigdemont, também estavam os vários membros da Generalitat destituídos em outubro do ano passado pelo presidente do Governo de Espanha —,  estão a gerar um coro de condenação por parte de líderes políticos de vários quadrantes. Uma das críticas à sugestão de Torra surgiu de José Luis Ábalos, secretário para a Organização do PSOE.

Ábalos disse que Torra era “um irresponsável” por ter sugerido aos catalães que seguissem a via eslovena rumo à independência e lamentou que responsáveis daquela região autónoma lançassem “apelos à insurreição” na linha da história da Eslovénia. “É triste” convidar a população a seguir por um “caminho de sofrimento”, disse o responsável político, que é também ministro do Desenvolvimento e que considera “totalitária” a via defendida por Torra.

As críticas vieram dos mais diversos setores políticos. A presidente da câmara de Barcelona, Ada Colau, defendeu que Torra devia retificar “imediatamente” as suas palavras por serem de “uma grave irresponsabilidade”, uma forma de “lançar uma cortina de fumo e tapar os problemas do Governo” na região autónoma. E Inés Arrimadas, líder do Ciudadanos na Catalunha, apelidou o presidente do Governo regional de “perigo público”, ao defender publicamente à “violência” dos cidadãos.

O legado esloveno: dez dias de guerra, 63 mortos

O desafio que Quim Torra lança aos catalães obriga a uma viagem ao passado de quase 30 anos no tempo, de volta a 1990. O La Vanguardia fez essa viagem e parou em abril desse ano, mês em que se realizaram as primeiras eleições livres na Eslovénia, à data uma mera região da República Jugoslava. Nesse sufrágio, a coligação Demos conquista a maioria parlamentar — e começa um movimento de oposição ao regime comunista, com um movimento fulcral: um referendo à independência.

A consulta popular faz-se a 23 de setembro desse ano, mesmo sem contar com a validação de Belgrado, e conta com a participação de 93,2% dos eleitores. Os resultados ditam uma vitória inequívoca pela independência, com 88,5% dos eslovenos a votar a favor da separação.

Nove meses mais tarde, nascia a República da Eslovénia. A declaração de independência aconteceu a 25 de junho de 1991 (um dia antes daquele que tinha sido anunciado). Antes da independência, porém, veio a guerra.

Em poucas horas, os carros de combate de Belgrado entravam em território esloveno e davam início a um conflito armado. Foram apenas dez dias — a história recorda-os assim mesmo, referindo-se à “Guerra dos Dez Dias” —, que fizeram 63 mortos e alguns centenas de feridos. Os combates terminaram com o Acordo de Brioni.

Apesar de não ser o cenário defendido nem pela Comunidade Europeia nem pelos Estados Unidos (que preferiam a “unidade jugoslava” à independência da Eslovénia e da Croácia), o documento foi assinado nas ilhas croatas com o mesmo nome e deu início à saída das forças jugoslavas do território Esloveno.

Mas só três meses depois de declararem a independência os eslovenos conquistavam a soberania. Essa última moratória ficaria marcada, logo no início, por uma declaração do então primeiro-ministro esloveno Lojze Peterle: “Se esperámos 100 anos pela independência, podemos esperar mais três meses.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)