Rádio Observador

Salário Mínimo Nacional

Governo adia discussão dos aumentos salariais para a próxima reunião com sindicatos

Segundo Helena Rodrigues, o Governo garantiu que na próxima semana, em data ainda a agendar, o tema das atualizações salariais voltará a ser discutido com os sindicatos.

A presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, Maria Helena Rodrigues.

Tiago Petinga/LUSA

A presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), Helena Rodrigues, lamentou hoje que os aumentos salariais não tenham sido discutidos na reunião, referindo que o Governo adiou para a próxima semana a sua discussão.

“Aquilo que são estas questões tão importantes não tivemos nenhum avanço nem foi sequer discutido”, disse a sindicalista à saída da reunião com a secretária de Estado da Administração e Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca, lamentando que o Governo continue a adiar este processo.

Segundo Helena Rodrigues, o Governo garantiu que na próxima semana, em data ainda a agendar, o tema das atualizações salariais voltará a ser discutido com os sindicatos.

Os sindicatos esperavam que os aumentos salariais na função pública fossem hoje de novo discutidos, com esperança de que ainda seja possível negociar aumentos salariais para todos os trabalhadores, apesar de o Governo ter anunciado que a subida abrange só os salários mais baixos.

Na última reunião negocial, na sexta-feira, as três estruturas sindicais da administração pública foram confrontadas com uma proposta de aumento do salário mais baixo praticado no setor, de 580 euros para 635 euros.

Segundo uma estimativa do Ministério das Finanças, este aumento vai abranger cerca de 70 mil trabalhadores.

Tendo em conta que, segundo os últimos dados publicados pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), em setembro existiam 671 mil trabalhadores no Estado, isto significa que mais de 600 mil não terão atualizações salariais.

No entanto, as três estruturas sindicais da administração pública continuam a exigir aumentos para todos os trabalhadores e não apenas para os que ganham salários mais baixos.

A regulamentação das pré-reformas na função pública, o fim da reforma obrigatória aos 70 anos de idade foram alguns assuntos discutidos com o STE, que pediu ao Governo “mais esclarecimentos sobre este processo”.

ICO (RRA/DF) // MSF

Lusa/Fim

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Salários

Um salário mínimo motivante

Ricardo Mendes Ribeiro

A contraposição socialista entre empregador e empregado é fundamentalmente errada: quanto mais feliz o empregado estiver com o seu trabalho, mais e melhor produz.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)