O Ministério dos Negócios Estrangeiros instaurou um inquérito disciplinar e propôs a exoneração de Rui Baceira, na sequência de um escândalo sexual em que o chefe da missão diplomática portuguesa em Ramallah, na Palestina, estará envolvido. Segundo o Correio da Manhã, as câmaras de vídeo internas das instalações da representação diplomática de Portugal terão captado em julho deste ano o diplomata em atos sexuais considerados impróprios com um segurança que, alegadamente, pertence aos Serviços de Informações da Autoridade Nacional Palestiniana.

Em resposta ao Correio da Manhã, o MNE informou que “o ministro [Augusto Santos Silva] propôs a exoneração do representante de Portugal na Palestina porque entendeu que ele deixou de ter condições para assegurar a representação do Estado português”. De acordo com um decreto publicado em Diário da República, Marcelo Rebelo de Sousa exonerou, sob proposta do Governo, Rui Baceira do cargo de chefe da missão.

O MNE “logo que teve conhecimento de indícios sobre a eventual prática de atos impróprios por parte de um diplomata português, decidiu instaurar um inquérito disciplinar destinado, naturalmente, a apurar factos e responsabilidades”.

O MNE estará também a avaliar se existiram eventuais quebras de segurança decorrentes do escândalo sexual: “Os procedimentos que o conhecimento daqueles indícios implicava estão em curso em todas as dimensões relevantes”, garantiu ainda.

Rui Baceira foi nomeado chefe da missão diplomática de Portugal em Ramallah em julho de 2017.