Segundo a Operação Censos Sénior 2017 — a última do género de que existem dados disponíveis —, há quase 30 mil idosos (com mais de 65 anos) a viver sozinhos em Portugal (28.279) e mais de cinco mil (5.124) a viver isolados, números que deverão, naturalmente, aumentar nos registos do ano corrente, devido ao gradual envelhecimento da população portuguesa.

A maioria destes idosos prefere, obviamente, ficar nas suas casas enquanto possível, em vez de lares, casas de repouso ou outro tipo de residências especializadas. E nem todos podem contar com serviços de assistência ao domicílio. Como é sabido, porém, essa permanência acarreta riscos naturais, relacionados com a falta de mobilidade, reflexos, visão ou memória, próprios da terceira idade.

É especialmente útil, nestes casos, o serviço de teleassistência da Prosegur. Chama-se Sempre Consigo e baseia a sua atuação num dispositivo com várias funções, capaz de detectar quedas, inatividade prolongada, emitir alertas e enviar SMS para familiares sempre que necessário, além de proporcionar chamadas de acompanhamento e ter quatro botões de marcação rápida para que o idoso possa entrar facilmente em contacto com os seus familiares mais próximos.

No entanto, e apesar da eficácia reconhecida deste serviço, a prevenção continua a ser a melhor forma de evitar acidentes caseiros — sobretudo as tão frequentes quedas. E há pequenas dicas que são muito simples de aplicar na maioria das casas. Ora leia:

  • Liberte a casa de mobília desnecessária. Quanto mais espaço e menos obstáculos houver para o idoso se poder movimentar à vontade, melhor.
  • Tire tapetes ou aplique-lhes protetores antiderrapantes — encontra-os facilmente em lojas de bricolage e decoração — para ter a certeza que não saem do lugar nem provocam escorregões e, consequentemente, quedas.
  • No caso de o piso estar em mau estado, com tacos soltos ou partidos, estabeleça a sua reparação como prioridade.
  • Instale diversos pontos de luz e interruptores por toda a casa, para facilitar a sua iluminação. É especialmente importante instalá-los junto à cama, já que muitos idosos sentem necessidade de se levantar durante a noite.
  • Não deixe fios nem cabos expostos à mercê de um tropeção. Enrole-os e/ou esconda-os.
  • Se necessário, instale corrimãos e barras de apoio onde necessário, como, por exemplo, na casa de banho. No caso de se tratar de uma casa com vários pisos, instale também barras antiderrapantes na escadaria.
  • Atenção à altura da cama: ao sentar-se nesta, o idoso deve conseguir apoiar os pés no chão.
  • Atenção, também, à altura da sanita: existem alteadores (também lhes chamam elevadores) que facilitam o movimento de sentar e levantar, que pode estar limitado por falta de força, lesões na anca ou nos joelhos.
  • Opte sempre por sofás e poltronas com apoios laterais para os braços.
  • As portas das diferentes divisões devem estar oleadas, abrir e fechar facilmente e, importante, fazê-lo tanto por dentro como por fora.
  • Rearrume a cozinha, ponha os objectos mais utilizados nas prateleiras mais baixas, para evitar subidas a bancos ou escadotes.
  • Se possível, instale torneiras com sensores, para evitar que fiquem abertas. O mesmo é válido para portas de frigoríficos e congeladores.
  • Os fogões a gás devem ser substituídos por modelos eléctricos e os esquentadores por cilindros.
  • Certifique-se que a chaleira ou a cafeteira eléctrica se desligam automaticamente.
  • Evite o uso de velas, isqueiros e outros objectos que produzam chama.
  • Mantenha um extintor e uma manta antifogo em local facilmente acessível.

Siga-nos em https://observador.pt/seccao/aqui-nao-ha-alarme/