Rádio Observador

Lifestyle

Quem vai fazer feliz hoje?

Porque pequenos gestos podem causar um grande impacto nas pessoas que nos rodeiam, este Natal ofereça felicidade a quem mais gosta.

Getty Images/iStockphoto

A felicidade é contagiosa. Ou a felicidade espalha-se. Porque a nossa forma de estar na vida tem o poder de contagiar os outros ao nosso redor. Pequenos gestos de bondade podem causar um grande impacto no mundo. Esta é a corrente de felicidade que todos podemos transportar diariamente connosco. Quando acordar de manhã, pergunte a si própria: quem vai fazer feliz hoje?

Vai ligar à sua mãe só para dizer que tem saudades dela? Vai dizer bom dia ao senhor do autocarro? Vai sorrir à senhora da pastelaria que todos os dias lhe serve um pastel de nata? Vai levar um café para a sua colega do lado? Todos estes pequenos gestos que por vezes parecem insignificantes têm o poder de mudar a vida das pessoas. E elas irão sentir e replicar. Irão mudar a vida de outras pessoas com tantos outros gestos banais como estes. Então porque não partilhar mais vezes felicidade com os outros?

A felicidade não cai do céu mas caiu no Chiado

Levar pequenos gestos de felicidade a estranhos foi a mensagem de Lancôme que, juntamente com algumas influencers portuguesas, andou no Chiado a oferecer kits Lancôme com dois perfumes La Vie Est Belle: um para a pessoa e outro para oferecer e partilhar também a felicidade. Surpreender estranhos na sua rotina com uma caixa Lancôme foi uma forma de mudar o dia de algumas pessoas e de as fazer também partilhar este estado de espírito com alguém da sua vida.

E estes são os pequenos gestos que podem ter impacto na vida das pessoas de quem gostamos e de as lembrar que a felicidade é para viver aqui e agora. Passamos a vida a dizer que vamos ser felizes quando… quando ganharmos aquela promoção, quando arranjarmos aquele emprego, quando casarmos, quando acontecer isto ou aquilo. Vivemos a acreditar no “final feliz” como se não tivéssemos direito de viver o “presente feliz”. Aceitámos como certo o mote de que “no final, tudo acaba bem e, se ainda não está bem, é porque ainda não acabou”. Mas a felicidade não é uma meta que só chega no fim. A felicidade é para ser vivida todos os dias.

Este Natal ofereça felicidade

Se este Natal quer fazer alguém feliz, ofereça-lhe La Vie Est Belle. Ofereça-lhe felicidade num frasco. E um lembrete diário de que, todas as manhãs, devemos borrifar a nossa dose de felicidade e espalhá-la pelo mundo.

Lançado em 2012, o perfume de Lancôme nasceu com o objetivo de mostrar às mulheres que deviam libertar-se das convenções e ser simplesmente felizes. Foi uma mensagem de força e de liberdade que agora nos vem encorajar a partilhar a nossa felicidade e a multiplicar os seus efeitos.

O novo capítulo de La Vie Est Belle deixa a pergunta: quem vai fazer feliz hoje? E esta nova filosofia de vida passa por compartilhar felicidade com os outros. Todos os dias. Porque a felicidade é ainda mais verdadeira quando é compartilhada. La Vie Est Belle representa uma escolha. A escolha de viver a vida e torná-la ainda mais bonita. Para nós e para quem nos rodeia. E o Natal é a altura certa para nos lembrarmos que o mundo vai ser melhor se todos nós fizermos um bocadinho mais por isso.

La Vie Est Belle de Lancôme está à venda nas perfumarias. Edição Glitter limitada e exclusiva Perfumes & Companhia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)