Rádio Observador

Austrália

A viagem de Bruce era de 15 minutos, mas o atalho do Google Maps deu-lhe uma aventura digna de Indiana Jones

948

Um rapaz queria chegar a Blue Mountains, um acampamento perto de Sidney, e para isso recorreu ao Google Maps. A aplicação acabou por guiá-lo por um atalho e Bruce viveu uma aventura incrível.

O Google Maps é uma das ferramentas digitais mais populares, muito usada para calcular as melhores rotas para se chegar a um local, contabilizar o tempo, descobrir recomendações num trajeto e confirmar até se há ou não trânsito no percurso que se pretende fazer. Ainda assim, como qualquer outra tecnologia, é falível. E a prova disso é a história de Bruce.

Bruce queria chegar a Blue Mountains, um acampamento muito popular perto de Sidney, na Austrália. Para a viagem tinha tudo aquilo de que precisava: um carro todo o terreno, depósito cheio, um rádio, 20 litros de água e alimentos. Só lhe faltava escolher o percurso mais rápido para chegar ao destino e, para isso, recorreu ao Google Maps. Só não esperava que a viagem que supostamente duraria 15 minutos se tornasse num autêntico filme do Indiana Jones.

A representação das estradas no Google Maps na Austrália é bastante interessante, já que tende a equacionar mais estradas viáveis do que as que existem”, conta Bruce ao site Bored Panda.

Bruce partiu de Jenolan Caves e, como gosta de aventuras, decidiu registar todos os dados da viagem, inclusivamente através de fotografias. Inicialmente, o Google indicou um atalho que o levou até uma plantação de pinheiros. Apesar de não haver estrada e de as manobras serem pouco recomendadas, mesmo tendo um carro todo o terreno, decidiu seguir e ser surpreendido. “Tinha combustível para mil quilómetros, água, comida, um rádio e uma tenda para passar a noite”, relatou Bruce ao Bored Panda.

A viagem demorou duas horas. Ao seguir respeitosamente todas as indicações do Google Maps, Bruce passou por bosques, teve que ultrapassar rios e viu animais selvagens. A história foi relatada através de fotografias. Veja a fotogaleria acima.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)