Investimento

Governo quer novo plano de obras públicas sem concluir anterior

1.007

Governo tem novo plano de investimentos em obras públicas (PNI 2030) pronto para avançar, mesmo com o anterior (PETI 3+) ainda por concluir: há pelo menos 80% de projetos por cumprir.

Pedro Marques é o ministro do Planeamento e das Infraestruturas

PEDRO NUNES/LUSA

O Governo tem um novo plano de investimentos em obras públicas pronto para avançar, envolvendo 65 programas e cerca de 20 mil milhões de euros para aplicar até 2030. Este Plano Nacional de Investimentos (PNI 2030) contudo, pode arrancar numa altura em o plano anterior — o Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas (PETI 3+) — ainda decorre, com um prazo limite até 2020 e 80% dos projetos previstos ainda por concretizar, avança o Público na sua edição desta quinta-feira. Neste último plano, refere, estão em causa 53 obras e um orçamento de seis mil milhões de euros.

O novo plano só precisa de passar pelo parlamento e de receber luz verde do Conselho Superior de Obras Públicas para poder arrancar, ainda que o PETI 3+ só esteja cumprido em cerca de 20%, segundo os dados divulgados. Mas há quem tenha uma leitura menos otimista da realidade. De acordo com a Confederação da Construção e do Imobiliário, só foram aplicados 539 milhões desses 6068 milhões de euros de investimentos previstos – ou seja 8,8%.

“Dos 50 projetos previstos, apenas nove foram efetivamente concretizados. Se a calendarização tivesse sido cumprida, apenas 12 projetos estariam em execução no final do ano, uma vez que os restantes 38 já teriam sido concluídos”, referiu ao jornal o presidente da confederação, Manuel Reis Campos. Embora não conteste a aposta no investimento e nas obras públicas, o dirigente lembra que é importante planear e calendarizar, mas também é preciso cumprir.

O plano ainda em curso foi aprovado ainda durante o governo de Passos Coelho, em 2014, com o aval das Finanças comandadas por Vítor Gaspar, como instrumento de planeamento de investimentos para o período até 2020. Envolvia 53 projetos de investimento, selecionados após o relatório de um grupo de trabalho mandatado para “recolher prioridades e obter consensos”.

O atual Governo admite atrasos no PETI 3+ e recorda que, quando tomou posse não havia obras nem projetos para que elas pudessem avançar, daí que os 53 projetos se prolonguem agora até 2023 (prazo limite para o financiamento associado aos fundos comunitários). Reforça também que, nos próximos dois anos vão ser lançadas algumas obras, como é o caso da intervenção no IP3, por exemplo.

O primeiro-ministro, que nunca eliminou o PETI 3+ do seu programa, pretende agora avançar com o PNI 2030, dividido em quatro áreas prioritárias de investimento, sendo a mobilidade e transportes a que recebe a fatia mais generosa de dinheiro: 12,7 mil milhões de euros (62% do total do Plano). Dentro da mobilidade, os maiores investimentos vão para a ferrovia (4 mil milhões de euros), seguindo-se a mobilidade sustentável (3,4 mil milhões de euros) e o setor marítimo portuário (2,6 mil milhões de euros). O setor rodoviário assegura uma fatia de 8% do bolo: 1,6 mil milhões de euros. Energia, ambiente e regadio levam os restantes valores de investimento.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)