Incêndios

Identificadas este ano 1.142 freguesias com alto risco de incêndio

O Governo identificou este ano 1.142 freguesias com alto risco de incêndio florestal e que necessitam de intervenção prioritária, a conclusão foi feita com base nas ocorrências de incêndio registadas.

O governo pretende investir em ações de limpeza e de autoproteção

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Governo identificou este ano 1.142 freguesias com alto risco de incêndio florestal e que necessitam de intervenção prioritária, anunciou esta terça-feira no parlamento o ministro da Administração Interna.

Na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, Eduardo Cabrita avançou que os secretários de Estado da Proteção Civil e das Florestas já concluíram “a identificação das áreas de risco prioritário”, com base nas ocorrências de incêndio registadas em 2018.

“É relativamente a essas áreas de risco prioritário que vai incidir a prioridade quer nas ações de limpeza, quer nas ações de autoproteção”, disse o ministro.

Nesse sentido, adiantou que, na próxima semana, vai ser publicado em Diário de República o mapa que identifica em 190 municípios do Continente as 1.142 freguesias “prioritárias de intervenção”.

Segundo o ministro, 703 são consideradas de primeira prioridade, isto é, de maior risco potencial de incêndio, e 439 como de segunda prioridade.

“É relativamente a este elenco de freguesias que, já a partir da segunda quinzena de janeiro e até ao final de março, iremos ter reuniões de trabalho com todas as comunidades intermunicipais do país e com as duas áreas metropolitanas, ajudando a esclarecer e trabalhar em conjunto para que os resultados positivos de 2018 não sejam apenas resultados que se verificaram num ano”, precisou.

Eduardo Cabrita frisou que “há que fazer bastante melhor na área da limpeza florestal”.

O ministro deu ainda conta aos deputados que, em 2018, registaram-se 12.200 incêndios, uma redução de 44% em relação à última década, que provocaram 44.000 hectares de área ardida, menos 68% face aos últimos 10 anos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)