Rádio Observador

Metro de Lisboa

Metro de Lisboa. Nova “linha circular” prevê construção de túnel com 1.956 metros

113

O prolongamento das linhas Amarela e Verde do Metropolitano de Lisboa prevê a construção de um túnel com 1.956 metros em via dupla e 2 novas estações: Santos e Estrela.

O Governo lançou esta quarta-feira o concurso para a construção das novas estações Estrela e Santos e o consequente prolongamento das linhas Amarela e Verde

O prolongamento das linhas Amarela e Verde do Metropolitano, criando uma ‘linha circular’ na zona central da cidade de Lisboa, prevê a construção de 1.956 metros de túnel em via dupla e duas novas estações na Estrela e em Santos.

O concurso para a construção dos toscos dos lotes Rato/Santos e Santos/Cais do Sodré, no âmbito do plano de expansão da rede do metropolitano, foi hoje lançado numa cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, e pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes.

O investimento total previsto para esta fase de expansão é de 210 milhões de euros, até 2023, sendo cofinanciado em 127,2 milhões pelo Fundo Ambiental e em 83 milhões pelo Fundo de Coesão, através do Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos — POSEUR.

De acordo com o Governo, os investimentos aprovados na resolução do Conselho de Ministros, repartidos por seis anos, referem um montante de 4,6 milhões para o ano de 2018, enquanto para este ano há uma tranche de 29,8 milhões.

Para os anos de 2020, 2021 e 2022 serão financiados valores acima dos 45 milhões de euros, sendo 45,8 milhões, 49,8 e 48,4, respetivamente. No ano previsto para a conclusão da obra serão investidos 31,8 milhões de euros.

A nova estação da Estrela servirá uma parte da cidade “primordialmente residencial e que possui uma concentração elevada de serviços de autocarro”, estando prevista a sua localização ao cimo da Calçada da Estrela, na extremidade Sul do Jardim da Estrela, segundo a empresa.

Já a estação de Santos servirá, além das áreas residenciais, equipamentos como a Assembleia da República, o Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) ou o Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing (IADE), bem como áreas nas quais se concentram atividades de lazer e de diversão noturna.

A estação de Santos vai ficar localizada a poente do quarteirão definido pela Av. D. Carlos I, Rua das Francesinhas, Rua dos Industriais e Travessa do Pasteleiro, com alinhamento entre as instalações do ISEG e o Largo da Esperança. Irá dispor de dois acessos: um dos quais na Av. D. Carlos I (no gaveto com o Largo da Esperança) e o outro à Travessa do Pasteleiro.

A estação do Cais do Sodré vai ser igualmente remodelada e haverá também intervenções nos viadutos do Campo Grande para ligar as linhas Verde e Amarela entre Alvalade, Campo Grande e Cidade Universitária, permitindo a operação em linha circular Cais do Sodré — Campo Grande e Cidade Universitária (nova linha Verde) e fazendo a ligação Telheiras — Campo Grande — Odivelas (nova linha Amarela).

No dia 27 de novembro, o Metropolitano de Lisboa anunciou que a Agência Portuguesa do Ambiente emitiu uma Declaração de Impacto Ambiental (DIA) favorável condicionada ao projeto, que cria uma linha circular a partir do Campo Grande com as linhas Verde e Amarela, passando as restantes linhas a funcionar como radiais.

Segundo a DIA, a criação da linha circular poderá pôr em risco vários monumentos nacionais, como o Aqueduto das Águas Livres e o Jardim da Estrela.

O documento indica também que a construção da linha circular obriga a deslocar a linha de comboio entre Santos e Cais do Sodré durante 44 meses.

Esta quarta-feira, durante a apresentação do concurso, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse não temer que a empreitada não se venha a realizar, quando questionado sobre alguns processos de obras do metropolitano que acabaram em tribunal, e reiterou que se trata de uma empreitada “absolutamente fundamental para um sistema de mobilidade mais robusto e com mais oferta”.

É normal que uma obra com esta dimensão tenha impactos. O estudo [Declaração de Impacto Ambiental] foi realizado pelo Metropolitano, o promotor da obra. Dele resultaram um conjunto de medidas de minimização que obrigou a um mês de reflexão e que salvaguarda todas as questões do ponto de vista ambiental e, parte delas, do impacto na vida dos cidadãos”, explicou.

O ministro acrescentou ainda que em 2018 o número de passageiros no metropolitano de Lisboa tinha crescido 4,6 por cento, sendo que a ambição do Governo para 2019 é que o número de deslocações aumente em 10%.

Trabalhadores e sindicatos criticam falta de estudos científicos

A Comissão de Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa e os sindicatos do setor alertaram esta quarta-feira para a falta de estudos científicos que mostrem as vantagens da linha circular, apontando pareceres técnicos que põem em causa esta opção.

A principal crítica a este projeto diz respeito à opção do Governo pela construção de uma “Linha Circular” que, no entendimento de trabalhadores e sindicatos, não mereceu os estudos científicos necessários que comprovassem o impacto desta decisão.

Nesta proposta de expansão de rede do Metro faltam os projetos e estudos científicos sobre o impacto no fator humano (trabalhadores e utentes) que resulta do novo modo de funcionamento na nossa rede que deixa de operar num sistema de linhas, com dois terminais cada e passa a uma linha circular sem qualquer cais terminal”, aponta a Comissão de Trabalhadores do Metro, em comunicado.

Os trabalhadores referem ainda que além da ausência de estudos científicos a suportar a opção pela “Linha Circular” existem pareceres que apontam no sentido contrário.

As opiniões sobre a ‘Linha Circular’ que foram divulgados são contrárias a esta expansão, traduzindo-se em apreciações e pareceres de agentes políticos de variadas sensibilidades, de autarquias, de reconhecidos técnicos e urbanistas e de utentes. São valiosos contributos que deveriam ser considerados de modo a responder a esta expansão”, defendem os trabalhadores.

Por seu turno, também em comunicado, a Fectrans defende a expansão da rede do metro, mas considera um erro que “num momento em que muito falta para repor os níveis de manutenção e segurança se dê prioridade a uma obra que nem sequer tem projetos cientificamente elaborados”.

“Não podemos deixar de lamentar todo o ‘show’ em torno do lançamento do concurso dos toscos para dar início à Linha Circular, realizado hoje no Alto dos Moinhos, num quadro de mais uma das cerimónias de charme que o Governo impõe como bandeira de um falso desenvolvimento na mobilidade na cidade de Lisboa”, aponta a Fectrans.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)