INEM

Ministério Público investiga médico do INEM de Évora

692

Inquérito confirmado pela PGR. António Peças é suspeito de prestar serviço no Hospital e ao INEM ao mesmo tempo. Queixa diz que fingiu doença para não transportar um doente porque estava numa tourada.

O Ministério Público abriu um inquérito para investigar António Peças, o médico do Hospital de Évora que também prestar serviços no helicóptero do INEM estacionado naquela cidade. A informação foi confirmada ao Observador pela Procuradoria Geral da República.

O médico é suspeito de trabalhar para várias entidades ao mesmo tempo, com sobreposição de horários, como o Observador avançou na segunda-feira. Segundo uma denúncia anónima, enviada também para a Ordem dos Médicos, os casos mais frequentes serão da sobreposição de escalas entre o serviço no Hospital do Espírito Santo, de Évora, e o serviço para o INEM, recebendo a remuneração por ambos.

A queixa, assinada por um “grupo de médicos do Hospital de Évora preocupado”, dá dezenas de exemplos em que o cirurgião, devendo estar a trabalhar no hospital, estava também de escala no helicóptero, o que seria manifestamente impossível de cumprir.

Em resposta ao Observador, além de confirmar “a existência de um inquérito no DIAP de Évora que corresponde à situação relatada”, a Procuradoria Geral da República diz também que “tal inquérito ainda se encontra em investigação”, o que significará que, para já, António Peças não foi constituído arguido.

O caso foi também encaminhado pelo INEM para a Inspeção Geral das Atividades em Saúde depois de um inquérito que recomendou também a cessão do contrato com António Peças, algo que acontecerá a partir de 1 de fevereiro.

Entre os elementos enviados para a IGAS está também o caso do transporte de um doente de Évora para Lisboa, que ficou por fazer, de helicóptero, porque o médico alegou estar muito indisposto, com uma gastroenterite. As chamadas entre o CODU e António Peças, reveladas pelo Observador, são claras:

CODU: Há aqui um pedido de Évora para S. José…
António Peças: Eh pá… é o quê?
CODU: É um hematoma subdural.
António Peças: Oh Dr. Marcão [o médico do CODU], é uma coisa… eu estou aqui em casa, vim aqui… acho que isto é uma gastroenterite. Das duas uma, vou aqui ver… ou vou ver se isto me passa aqui um bocado, ou se vou ao hospital que é para eles me fazerem lá uma medicação. (…) Se isso pudesse ser de carro [ambulância], eu agradeço. Se não puder ser, eles têm que aguardar isso um bocadinho, que eu estou… estou aqui um bocadinho aflito.
CODU: OK. Está.
António Peças: Obrigado, Dr. Oiça lá uma coisa: eu vou ao hospital que é para ver se me fazem lá uma medicação, mas se eles puderem fazer por terra 
[de ambulância], eu agradeço. Depois eu digo-lhe alguma coisa depois de fazer a medicação lá no hospital. Está bem?

Não há registo, porém, de que o médico tenha ido, de facto, ao hospital e notícias em sites tauromaquia relatam que, naquele mesmo dia, Peças era o médico de serviço numa corrida de touros na Arena de Évora, tendo até assistido o diretor do espetáculo, que se queimou durante um duche, minutos antes do início da corrida.

Ao Observador, António Peças negou todas as suspeitas. O médico confirma que esteve na arena de Évora, mas apenas de passagem e porque lhe pediram para assinar o parecer médico necessário para o espectáculo, na ausência do clínico que estaria de serviço à corrida. Ainda estava a fazê-lo quando o diretor da corrida se queimou. Garante que prestou assistência a Marco Gomes e foi embora de imediato.

Recusa explicar, porém, a que horas isso aconteceu e como seria possível que, pouco tempo depois, já estivesse em casa, em grandes dificuldades com a gastroenterite, como relata na conversa com o CODU, impedindo até que fizesse o transporte do doente. “Não houve nenhum pedido de transporte”, insistiu, visivelmente irritado com a insistência da pergunta.

O resultado do inquérito interno do INEM também foi encaminhado para a Ordem dos Médicos, que entregou o caso ao Conselho Disciplinar.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: soliveira@observador.pt
Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)