Venezuela

Parlamento venezuelano declara “usurpação” presidencial

O parlamento venezuelano, em que a oposição detém a maioria, afirma que o país "vive em ditadura, pela primeira vez desde 1968" e "propõe declarar a usurpação do cargo do Presidente da República".

Maduro foi esta quinta-feira empossado para um segundo mandato que o manterá no poder até 2025

Cristian Hernandez/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O parlamento venezuelano, em que a oposição detém a maioria, declarou-se esta quinta-feira em emergência para restituir o “fio constitucional”, denunciando que há uma “usurpação da Presidência” do país.

Hoje [quinta-feira, 10] deu-se a usurpação da Presidência da República e [Nicolás] Maduro desconhece o único poder real e legítimo do país, e avança para a desmontagem total do Estado de direito que protege os cidadãos e garante os direitos humanos”, disse o presidente do parlamento aos jornalistas.

Segundo Juan Guaidó, “pela primeira vez, desde 1968”, a Venezuela “vive em ditadura”.

É um Governo que não foi eleito pelo povo e perante esta realidade, o parlamento propõe declarar a usurpação do cargo do Presidente da República, assumir, como único poder legítimo do povo venezuelano, a representação do mesmo (povo), para fazer valer os direitos da nação, (…) autorizar a ajuda humanitária e conseguir a restituição do fio constitucional”, disse aos jornalistas.

Por outro lado, destacou o desconhecimento expressado pela Organização de Estados Americanos, a União Europeia e vários países, assim como “reiterou o caráter fraudulento” das eleições presidenciais antecipadas de 20 de maio de 2018, que elegeram Nicolás Maduro para um novo mandato.

Juan Guaidó fez um pedido às Forças Armadas para acompanharem o povo venezuelano e fazerem cumprir a Carta Magna, porque “a aplicação efetiva da Constituição não dependerá só da Assembleia Nacional (AN, parlamento), mas das forças” que se construam “para fazê-la cumprir”.

O presidente do parlamento convocou os venezuelanos para acompanharem “os deputados” que estarão no espaço das Nações Unidas, em Caracas, capital do país, na sexta-feira.

Maduro foi esta quinta-feira empossado para um segundo mandato que o manterá no poder até 2025.

Para Juan Guaidó, as declarações do Presidente Nicolás Maduro e de outros porta-vozes do Governo, da Assembleia Constituinte, composta unicamente por apoiantes do chefe de Estado venezuelano, de que avançarão com ações para dissolver o parlamento carecem de autoridade.

“Não podem dissolver o parlamento porque não têm autoridade. O mundo reconhece a Assembleia e desconhece Maduro. Propõe uma falsa eleição e um falso diálogo, mas nem este parlamento, nem a oposição se presta para farsas”, acrescentou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)