Espanha

Terreno continua sem facilitar: Julen pode ser resgatado apenas na terça-feira

214

As equipas de resgate atingiram os 45 metros de profundidade. Mas terreno rochoso não facilita e ainda há muitas horas de trabalho pela frente até chegar ao menino, que caiu no poço no domingo.

Os trabalhos foram atrasados pela descoberta de uma rocha de ardósia aos 18 metros da escavação

ALVARO CABRERA/EPA

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

Já foram escavados mais de dois terços do túnel de 60 metros de profundidade paralelo ao poço onde Julen, de dois anos, caiu na semana passada em Totalán, em Málaga, na região da Andaluzia. Contudo, devido às dificuldades apresentadas pelo terreno, as autoridades levantam agora a hipótese de chegarem ao menino apenas na próxima terça-feira.

Segundo o jornal El Mundo, faltam perfurar apenas 15 metros — algo que, como explicou o responsável pelas operações, Ángel Garcia, poderá ser feito ainda durante esta noite de domingo. Mas, uma vez atingida a meta estabelecida, será preciso escavar ainda uma galeria horizontal para chegar à criança, algo que pode “demorar até 24 horas”.

O terreno não tem facilitado as operações, já que as muitas massas rochosas de ardósia têm feito deste trabalho árduo um procedimento demorado. “Esse é o motivo pelo qual em determinados momentos a velocidade está a ser mais lenta e a operação se tem atrasado”, explicou Garcia ao El Español.

Durante a noite de sábado, a perfuração também foi atrasada devido à presença de uma rocha de ardósia aos 18 metros da escavação, depois de, neste sábado, as máquinas terem embatido num maciço rochoso inesperado. Só pelas 7h (6h em Lisboa) é que foi possível chegar aos 33 metros de profundidade. A chuva intensa também tem criado obstáculos, com as autoridades a preverem que chegarão à criança de dois anos apenas na segunda-feira. Se as condições fossem mais favoráveis, seriam precisas menos de 20 horas para os responsáveis escavarem o túnel paralelo ao poço, referiu o El Español.

Responsáveis esperam atingir local onde está Julen na segunda-feira. Como vai decorrer o resgate?

O túnel está a ser escavado com uma perfuradora de 105 toneladas e uma potência de 600 cavalos. No entanto, a dureza dos maciços rochosos que os técnicos têm vindo a encontrar fez com que fosse necessário encomendar uma cabeça diferente. Esta foi enviada de Guadalajara, segundo a agência Efe, e espera-se que ajude a atravessar os cinco metros de granito que, segundo revelou o presidente da Andaluzia, foram entretanto encontrados durante a manhã. Juanma Moreno, que falou aos jornalistas durante a convenção do PP em Madrid, descreveu as condições de trabalho como “muito difíceis”.

“Está-se a fazer tudo o que é humanamente possível, mas as circunstâncias são muito difíceis”, afirmou Moreno. “Desejo, espero e confio que segunda-feira de manhã teremos alguma informação positiva, mas vai depender das circunstâncias do terreno.” Para impedir deslizamentos enquanto se continua a perfuração, a área do corte foi revestida com betão.

Uma vez terminados os trabalhos de perfuração, um guindaste de cerca de oito metros de comprimento, que já chegou à cidade de Totalán, irá introduzir uma cápsula de resgate no interior do túnel. A cabine metálica foi manufaturada de propósito para esta operação, e irá permitir que os oito mineiros da Brigada de Salvamento de Hunosa sejam capazes de chegar a Julen.

Com um diâmetro de 1,05 metros e uma altura de 2,5 metros, a cápsula tem espaço para duas pessoas, em pé, e algum material, referiu o El País. Uma vez no interior do túnel, os mineiros, trabalhando em grupos de dois, terão de recorrer a picaretas e martelos pneumáticos para abrir uma galeria que lhes dê acesso ao local onde está a criança desde domingo. Este trabalho deverá demorar cerca de 20 horas, segundo as previsões iniciais. para Existe a possibilidade de um terceiro elemento ajudar na operação a partir de um nível superior, explicou o El Español.

Os trabalhos deste domingo ficaram marcados por um acidente envolvendo a Guardia Civil. Um carro, onde seguiam dois membros da força policial, capotou na estada que dá acesso a Totalán, por volta das 8h (7h em Lisboa). Os dois ocupantes não sofreram ferimentos graves mas, de acordo com o El País, o veículo ficou muito danificado. O trânsito foi retomado pouco tempo depois.

Técnicos de explosivos chegaram a Totalán

Segundo o El Mundo, chegou este domingo a Totalán um grupo de especialistas em explosivos. Não se sabe, no entanto, que papel vão desempenhar no resgate de Julen.

Julen caiu num poço junto à necrópole da Tumba Del Moro, um local turístico em Málaga, na região da Andaluzia, no domingo passado. Nos últimos dias, as equipas de resgate encontraram cabelo e restos biológicos que, após testes de ADN, se confirmaram pertencer à criança. Na quinta-feira, uma câmara usada para verificar esgotos foi colocada no túnel, mas as autoridades só conseguiram chegar até aos 73 metros de profundidade.

Uma centena de pessoas participam na operação de resgate desde domingo, quando o pai de Julen e o serviço de emergência avisaram a Guarda Civil. Entre as empresas que estão a tentar o resgate está uma sueca que conseguiu localizar o ponto exato onde estavam 33 mineiros no Chile, presos 69 dias após o colapso da mina.

Os pais da criança continuam no local e têm recebido apoio da população. O casal perdeu um filho, Oliver, em 2017, devido a um problema cardíaco.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

O poder mobilizador da rejeição /premium

Diana Soller

Um discurso negativo, de rejeição de alguma coisa, independentemente de ser factual ou inventado, tem muito mais impacto junto das populações que um discurso positivo, construtivo ou inclusivo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)