Rádio Observador

Futebol

Mais um jogo de ânimos aVARiados: do golo anulado a João Novais aos penáltis pedidos (e não assinalados)

110

Novais marcou a abrir a segunda parte mas golo foi anulado por falta de Dyego Sousa sobre Acuña. No final, Coates pediu penálti; antes, Dyego Sousa também caiu na área. Os casos do Sp. Braga-Sporting.

Jogadores do Sp. Braga protestaram muito o golo anulado a João Novais no arranque da segunda parte

LUSA

Se a entrada do Sp. Braga em jogo já tinha sido demasiado forte, a ponto de inaugurar o marcador logo aos três minutos naquele que foi o golo mais rápido que o Sporting sofreu na presente temporada, o regresso após o intervalo foi ainda melhor: após um lançamento lateral de Marcelo Goiano, Dyego Sousa ganhou de cabeça, lançou Wilson Eduardo no corredor direito e João Novais surgiu na pequena área ao primeiro poste a desviar de cabeça para o 2-1 com apenas 31 segundos decorridos.

Tudo parecia preparado para o recomeço do jogo quando o VAR esta noite liderado por Luís Godinho chamou a atenção de Manuel Oliveira para o início da jogada, quando Acuña caiu no relvado depois de ter disputado a bola com Dyego Sousa de cabeça. O árbitro foi confirmar as imagens na TV colocada no relvado e concordou sobre a infração do avançado brasileiro sobre o lateral argentino, indicando assim falta a favor dos leões e invalidando o golo, numa decisão que deixou o banco de suplentes bracarense à beira de um ataque de nervos, a Pedreira em ebulição e Raul Silva com amarelo, por protestos.

Pouco depois, o central brasileiro voltaria a ser protagonista e quase herói: na oportunidade mais flagrante da segunda parte, o defesa foi à área verde e branca num canto mas o cabeceamento acabou por acertar na trave da baliza de Renan Ribeiro, que já estava batido depois de ter travado menos de um minuto antes um livre direto forte apontado por João Novais.

O VAR voltaria a atuar numa segunda ocasião, desta vez na área do Sp. Braga: Coates caiu num livre lateral marcado por Jefferson na esquerda, ficou a reclamar um agarrar de camisola de Claudemir que o atirou para o relvado e Manuel Oliveira, após receber também comunicação do VAR, parou o encontro para ir ao ecrã perto do túnel de acesso aos balneários para ver também as repetições do lance. Como decisão final, bola ao solo e interpretação de que houve aproveitamento do uruguaio.

No final do encontro, António Salvador focou em mais dois lances que não tinham merecido tantos protestos no relvado mas que foram também visados nas críticas deixadas à arbitragem de Manuel Oliveira: uma falta de Gudelj que poderia ter valido o segundo amarelo a Gudelj ainda no quarto de hora inicial da segunda parte e uma queda de Dyego Sousa na área quando tinha Ristovski por perto após um passe longo a explorar a profundidade e velocidade do brasileiro.

Assim, houve apenas dois golos e no decorrer da primeira parte: Dyego Sousa inaugurou o marcador logo aos três minutos, culminando de cabeça na área uma grande saída do Sp. Braga (3′), e Coates empatou também de cabeça, na sequência de um canto marcado na esquerda por Acuña (37′). Nos penáltis, os leões acabaram por vencer por 4-3.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)